A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou esta quarta-feira que há falta de oxigénio para muitas pessoas infetadas com Covid-19, estimando que, ao ritmo de um milhão de novos casos por semana, sejam precisos 620.000 metros cúbicos por dia.

Em conferência de imprensa a partir da sede da OMS, o diretor geral da OMS, Tedros Ghebreysesus indicou que pela estimativa daquela agência da ONU, a quantidade de oxigénio necessária para os doentes com dificuldade em respirar equivale a 88.000 cilindros de grande dimensão por dia.

No entanto, “muitos países estão a ter dificuldades em obter concentradores de oxigénio [que extraem e purificam oxigénio a partir do ar e permitem armazená-lo na concentração aumentada de que os doentes precisam] porque 80% do mercado está na posse de apenas algumas empresas”.

“A procura está a ultrapassar largamente a oferta”, declarou.

A OMS e outros organismos da ONU compraram 14.000 concentradores de oxigénio, que estão prontos para ser enviados para 120 países que deles precisam nas próximas semanas e garantiu a compra de mais 170.000 ao longo dos próximos seis meses.