O início do julgamento do hacker Rui Pinto foi marcado para 4 de setembro. A notícia, avançada pela TVI e pelo Correio da Manhã, foi confirmada à Agência Lusa por fonte judicial.

O julgamento terá em média três sessões por semana, prolongando-se até novembro. A primeira terá início pelas 9h30.

O agendamento foi decidido esta quinta-feira durante uma reunião no Campus da Justiça, em Lisboa, entre o coletivo de juízes, liderado por Margarida Alves, os mandatários dos arguidos e a procuradora do Ministério Público.

Rui Pinto encontra-se a aguardar julgamento em prisão domiciliária desde abril, em casas disponibilizadas pela Polícia Judiciária. O hacker está proibido de aceder à internet e de ter na sua posse dispositivos que o permitam por decisão judicial. Antes disso, esteve em prisão preventiva.

Estas medidas de coação foram revogadas pelo Tribunal Central Criminal de Lisboa a 25 de junho, tendo sido admitidos nessa data os quatro pedidos de indemnização apresentados contra o criador do Football Leaks. A juíza Margarida Alves aceitou também os quatro pedidos de indemnização civil apresentados pela Doyen, neste caso contra Rui Pinto e Aníbal Pinto, e por Rui Costa Pereira, Inês de Almeida Costa e João Medeiros, ex-advogados da sociedade PLMJ, uma das entidades espiadas por Rui Pinto.

O hacker irá responder por 90 crimes não pelos 147 que constavam da acusação do Ministério Público: 68 de acesso indevido, 14 de violação de correspondência, seis de acesso ilegítimo e por sabotagem informática à SAD do Sporting e por tentativa de extorsão.