O final do jogo entre Moreirense e Sporting, que quebrou uma série de quatro vitórias consecutivas dos leões na Liga naquele que foi também o primeiro encontro sem golos desde que Rúben Amorim assumiu o comando técnico da equipa, acabou por trazer reações distintas tendo o mesmo foco de atenções: a arbitragem de Tiago Martins, da Associação de Futebol de Lisboa, bem como o VAR de Jorge Sousa, da Associação de Futebol do Porto. E ainda antes das primeiras intervenções públicas, Hugo Viana, diretor desportivo dos verde e brancos, foi expulso, numa informação que só mais tarde surgiu na Ficha de Jogo disponível no site oficial da Liga de Clubes.

O filme de terror que teve um final de Hitchcock (a crónica do Moreirense-Sporting)

“Não sei se as decisões condicionaram ou não mas no último lance o árbitro foi ver e achou que não era penálti. Mesmo com os dois penáltis, mesmo com a expulsão do lateral esquerdo [Abdu Conté, por falta sobre Ristovski], mesmo assim, tínhamos de ter ganho este jogo. Portanto, temos de trabalhar aquilo que podemos controlar, a definição porque tivemos vários cruzamentos, definir melhor o remate. Em relação ao jogo, vivo muito, estando empatado quero muito ajudar a equipa, tenho esta maneira de ser mas faz parte”, destacou Rúben Amorim na conferência de imprensa, num “toque” na arbitragem sem deixar de falar do jogo em si e do que falhou.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.