O bispo de Leiria-Fátima, António Marto, considerou esta sexta-feira que a transmissão da celebração de missas pela internet e televisão imposta pela pandemia “não era a mesma coisa” e que os fiéis foram colocados perante uma prova “por vezes dura”.

A celebração entrou nas nossas casas via streaming ou via TV, mas todos nos dávamos conta que não era a mesma coisa estar a assistir ou, porventura, a unir-se espiritualmente de longe, à distância, do que estarmos todos à volta da mesma mesa, a celebrar o mesmo dom de Cristo”, afirmou esta sexta-feira em Fátima o cardeal António Marto.

Na apresentação do livro “No coração da Igreja”, do reitor do Santuário de Fátima, Carlos Cabecinhas, o bispo de Leiria-Fátima comparou a celebração da missa a outros “bens fundamentais”, como o pão, a água ou a eletricidade, aos quais a pessoas só dão valor quando lhes faltam.

Acabámos de viver um período longo de confinamento que nos pôs à prova, por vezes dura, da vivência da celebração da nossa fé cristã, durante três meses, nos períodos mais densos do ano litúrgico”, a Quaresma e a Páscoa, disse António Marto.

O livro de Carlos Cabecinhas, que se debruça precisamente sobre as várias dimensões do ritual da missa, surge, assim, “nem de propósito”, sublinhou o cardeal.

A obra vem “ajudar-nos a descobrir o valor, o sentido e outras dimensões da eucaristia que por vezes a rotina e a habituação com que a celebrávamos porventura nos levava a esquecer”, acrescentou.

Esta obra vem num momento próprio para a Igreja. Para a Igreja em Portugal vem tentar responder a uma carência que se sentia já antes do tempo de confinamento sanitário”, pois, segundo o cardeal, “sentia-se a falta de uma obra teológica em português sobre eucaristia, com qualidade de flexão, de pensamento, de fundamentação, de visão pastoral e de um teólogo português”.

“No coração da Igreja”, apresentado no Centro Pastoral Paulo VI, é “uma obra de síntese” que “impede reduzir a eucaristia a um mero rito, a uma mera devoção qualquer, a uma oração como qualquer outra”.

O livro destaca-se pela “linguagem acessível, que todos podem compreender” e ajuda a perceber na eucaristia “esta presença de Cristo” que, notou o bispo de Leiria-Fátima, “é tão ignorada por uma grande parte dos cristãos católicos”.

O autor, Carlos Cabecinhas, destacou a obra pela abordagem à relação “entre a eucaristia e a Igreja” e, reconhecendo que “não é um tema de best-sellers“, desejou que a edição “possa ajudar a aprofundar o conhecimento e o amor à eucaristia.