Isto

Rua Tenente Ferreira Durão, 70, Lisboa. 91 332 3314. De segunda-feira a sábado, das 11h às 19h

A Isto está duplamente de parabéns. A marca lisboeta soma, este mês, três anos de vida e a data é assinalada da melhor maneira, com a abertura de uma nova loja. Em Campo de Ourique, não muito longe do primeiro poiso, dentro da Embaixada, no Príncipe Real, é fácil ver como o pequeno projeto de três sócios (agora quatro) cresceu e ocupa agora meia dúzia de charriots. Depois das primeiras t-shirts e camisas, vieram as calças, os casacos, mais t-shirts, mais camisas, sweatshirts e, mais recentemente, a primeira coleção feminina. Curiosamente, continuam a ser as peças de homem as que têm mais saída e muito por culpa das clientes.

Durante a quarentena, o negócio correu melhor do que o esperado. As encomendas online não deram tréguas à produção, feita a norte, em Braga, Guimarães e Barcelos. A moda unissexo é agora o caminho a trilhar. Sem grandes alterações no design, aumentando apenas a a escala dos tamanhos, as mesmas peças minimais poderão ser usadas por eles e por elas. Outra das metas é incorporar soluções mais sustentáveis na produção. A Isto explora agora o potencial do tencel, fibra que poderá ir a substituir a problemática seda.

Até lá, há novos lançamentos na calha — uma linha de marinières sem género, uma edição de casacos de mulher apontada para setembro e, quando o frio chegar, as primeiras camisolas em lã de merino.

© Shiwantha Dias

Carmesim

Rua do Arco de São Mamede, 105, Lisboa. 21 097 6980. Segunda-feira, das 11h às 19h, e de terça-feira a sábados, das 10h às 19h

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Rita é simultaneamente empreendedora e artesã. Num belo dia, cansou-se da área financeira onde se moveu durante anos e retomou uma velha paixão, os acessórios de moda para homem. Passou um ano e meio a aperfeiçoar-se na costura, corte e modelagem e há menos de uma semana abriu portas à Carmesim, uma pequena boutique no Príncipe Real.

Na pequena máquina atrás do balcão e no atelier que mantém noutro espaço, confeciona laços, lenços de bolso, suspensórios e ascots com as próprias mãos. A liberdade é total, quer para fazer peças por medidas, quer para usar qualquer outro tecido que o cliente já tenha em mente. A oferta é complementada com chapéus e bengalas, tudo produção artesanal portuguesa, à exceção dos panamás. Rita não tem dúvidas na hora de classificar o negócio: uma alfaiataria de acessórios e com porta aberta para a rua.

Kooa Hair

Rua Poiais de São Bento, 112, Lisboa. 91 019 1768. De segunda-feira a sábado, das 10h às 19h

A paixão pelos cabelos uniu Peter e Ricardo no novo salão lisboeta. Chama-se Kooa Hair e abriu portas a poucos dias do início do estado de emergência. Reaberto de fresco, o espaço presta serviços de coloração, com produtos Wella Professional, e de corte, com produtos Oway, marca italiana que trabalha em exclusivo com ingredientes naturais. Peter é alemão e já arrecadou um Wella National Gold Awards na categoria de Creative Vision. Ricardo é português, tem o certificado de Wella Master Colourist, e há anos que mantinha o sonho de abrir um espaço próprio. O desejo realizou-se e no coração da cidade de Lisboa.

Ricardo e Peter, os proprietários do Kooa Hair © Ruben Costa

Spa Ceylon

Rua Castilho, 73B, Lisboa. 21 194 7624. De segunda-feira a sábado, das 10h às 19h

Pode não ser um spa, mas promete facilitar a tarefa a quem quer adotar rituais de bem-estar e relaxamento sem sair de casa. A Spa Caylon, marca internacional com uma centena de lojas em todo o mundo, abriu o primeiro espaço em solo português. Fica no centro da capital e está recheada de produtos 100% vegetarianos, inspirados pela medicina ayurvédica. Do Sri Lanka para Lisboa, os produtos dividem-se em linhas de rosto, cabelo, corpo e lar e ainda com uma linha de chás, com funções de hidratação, relaxamento, recuperação e limpeza. Além da nova loja de rua, também a loja online já está direcionada para o mercado português.

Por trás das embalagens de cores vibrantes, esta marca de luxo é uma defensora do comércio justo, com compromissos locais com produtores, e de fórmulas benéficas para o organismo humano. A Spa Ceylon não realiza testes em animais e não usa álcool, parabenos, parafina ou sulfatos na composição dos seus produtos. Entre os ingredientes privilegiados estão a aloe vera orgânica, o óleo de coco extravirgem, sais minerais do oceano Índico e especiarias do país que outrora recebeu o nome de Ceilão.

© Mauro Motty

Roche Bobois

Avenida da Liberdade, 38, Lisboa. 21 051 9905. De segunda-feira a sábado, das 10h às 19h

A Roche Bobois, nome imediatamente ligado ao design de interiores, acaba de abrir a segunda loja em Portugal e não muito longe da primeira, na Avenida 24 de Julho, em Lisboa. Em plena Avenida da Liberdade, no espaço outrora ocupado pela Gant, já abriu as portas à nova casa, um espaço com 800 metros quadrados e onde apresenta todas as propostas de mobiliário da marca francesa para este verão. O atendimento segue os trâmites da casa — os clientes são acompanhados por decoradores profissionais e os serviços incluem planificação 3D.

Cadeira desenhada por Joana Vasconcelos para a Roche Bobois, uma das peças em destaque na montra da nova loja © Divulgação

Dolce & Gabbana

Avenida da Liberdade, 180E, Lisboa. 21 051 7520. De segunda-feira a domingo, das 11h às 20h

Lisboa já tinha saudades. A marca italiana não pisava solo português desde o encerramento da loja da linha D&G, também na Avenida da Liberdade. Agora, pelas mãos do Grupo Amorim Luxury, a Dolce & Gabbana regressa à artéria mais luxuosa da capital. O interior faz jus ao estatuto, com destaque para o “mármore dourado” italiano e para o papel de parede que que acompanha o tom. Nos expositores, encontram-se as últimas coleções da dupla Domenico Dolce e Stefano Gabbana — acessórios, mas também pronto-a-vestir.

© Divulgação

+351

Largo dos Lóios, 64, Porto. 22 099 9578. De segunda-feira a sábado, das 12h às 19h

Pelos vistos, a pandemia não travou o crescimento de algumas marcas portuguesas. Depois de duas lojas em Lisboa — no Chiado e no Cais do Sodré –, a +351 de Ana Penha e Costa continua a ganhar terreno dentro do país. A mais recente inauguração foi no Porto, onde a marca apenas estava presente em lojas multimarca. Agora com espaço próprio, esta designer inspirada pelo oceano Atlântico ocupa uma das mais charmosas fachadas da Baixa portuense. Com ela levou um guarda-roupa descontraído, com peças unissexo e totalmente produzido em Portugal, utilizando fibras naturais.

© Instagram.com/plus351.pt

The Feeting Room

Rua do Passeio Alegre, 550, Porto. De segunda-feira a domingo, das 11h às 20h

Quem também partiu para a abertura da terceira loja física foi a The Feeting Room. Mas atenção, esta não é uma loja qualquer. A nova concept store concorre diretamente ao pódio dos espaços com mais pinta da invicta. Ocupa os dois andares de um pequeno prédio, mesmo em frente ao terminal da linha um do elétrico, em plena Foz, e além da loja tem também uma cafetaria. O projeto é um upgrade que chega mesmo a tempo para assinalar os cinco anos da loja portuense, que no final de 2016 chegou também a Lisboa.

Agora, a nova morada é uma pequena mansão numa localização privilegiada do Porto. O novo conceito de loja está cunhado como House of Labels e apresenta uma seleção de 36 marcas, todas elas com uma área reservada dentro do espaço. Entre elas, há relações de longa data, como é o caso da JAK, da Lemon Jelly e da Sanjo, mas também para marcas recém-chegadas como é o caso da Guaja. As joias de Carolina Curado e de Inês Telles são já conhecidas do público. Saltam á vista os acessórios da António e da wetheknot. Nem só de moda vive a The Feeting Room. Do lado da decoração, destacam-se nomes como Fiu e Anna Westerlund.

© Divulgação

Pela primeira vez, a loja reserva um espaço aos mais pequenos. Cheia de cor, a sala reúne marcas como Wolf & Rita, Hey Soleil e Barn of Monkeys, as três portuguesas. Há lugar para nomes internacionais, caso da Minois Paris, e para artigos de decoração, com destaque para a Carapau e para a OWL Paperlamps.

Para breve está a abertura de um café dentro do edifício. A The Feeting Room juntou-se ao Negra Café e já planeiam aquele que será um espaço reservado a almoços, brunches, lanches ou simplesmente a um momento regado a cocktails. O edifício tem pátio, o que o torna especialmente convidativo nos dias quentes de verão.

Ó! Cerâmica

Rua Adolfo Casais Monteiro, 61, Porto. De segunda-feira a sábado, das 14h às 19h

É normal que lhe soe a familiar. Há anos que a Ó! Galeria é a principal referência no que à ilustração de autor diz respeito, primeiro no Porto e mais tarde em Lisboa. Agora, com o aparecimento de novas promessas na área da cerâmica, nasceu um novo espaço. Chama-se Ó! Cerâmica, abriu portas em dezembro do ano passado mas foi já em 2020 que viu algumas das paredes irem a baixo para crescer e transformar-se numa espécie de academia. É por isso que chamar-lhe loja é dizer pouco. Com o verão chegaram também as rapidinhas, workshops de iniciação à cerâmica para quem não tem medo de sujar as mãos. Enquanto isso, a montra está cheia de autores por descobrir — Barro Alto, Ricardo Milne, Manu Souza e Amalteia, entre muitos outros.

© Divulgação

Zouri x Maaris

Rua Miguel Bombarda, 285, loja 24. Porto. De segunda a sexta-feira, das 11h às 18h, e sábado das 11h às 19h

A isto se chama um dois em um. Duas marcas portuguesas — Maaris e Zouri — juntaram-se para montar uma loja temporária, mas que corre sérios riscos de se estender no tempo, pelo menos além do previsto. De um lado está uma marca de roupa feminina que só trabalha com fibras naturais, produção local e pequenas quantidades. Do outro, uma marca de calçado vegano que usa resíduos de plástico dos oceanos para produzir as suas solas. Duas visões sustentáveis de uma indústria que continua a estar entre as mais poluentes do mundo. Não admira, por isso, que se tenham dado tão bem. A loja está aberta até dia 31 de julho. Em agosto, fecha para férias.

© Divulgação