O embaixador António Franco morreu na quarta-feira, tendo o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, apresentado os “sentidos pêsames” à embaixadora Ana Gomes e restante família.

Casado com a antiga eurodeputada e dirigente socialista Ana Gomes, António Franco foi embaixador de Portugal no Brasil, cargo que desempenhou entre 2001 e 2004 e onde terminou a carreira diplomática, depois de ter ocupado outros postos, como o de adjunto do chefe da missão temporária de Portugal no processo de paz em Angola e o de representante junto à Comissão Político-Militar.

“O Presidente da República apresentou sentidos pêsames à embaixadora Ana Gomes e restante família do embaixador António Franco, que hoje [quarta-feira] nos deixou”, refere uma nota publicada na página na internet da Presidência da República.

António Franco foi “um embaixador distinto, que exerceu importantes funções ao longo da sua carreira, tendo sido chefe da Casa Civil” do antigo Presidente Jorge Sampaio, acrescenta a nota da Presidência da República divulgada na quarta-feira.

Em nota enviada às redações, o ex-Presidente da República Jorge Sampaio descreve António Franco como “um hino à vida” e “um amigo certo, inteiro e leal, senhor de uma forte, independente e distintíssima personalidade à prova de bala, companheiro de muitas lutas e combates de uma vida”.

“De inteligência viva, espírito analítico e de uma enorme perspicácia humana, dissecava como ninguém comportamentos, atitudes e gestos, intenções manifestas ou disfarçadas, tendo um talento raro e subtil para lidar com situações delicadas ou melindrosas, para pacificar relações e debelar conflitos”, destacou ainda Jorge Sampaio.

Também o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, afirma ter recebido com “tristeza e consternação” a notícia da morte do embaixador António Franco, salientando a sua “brilhante carreira” diplomática ao serviço de Portugal.

O embaixador António Franco será certa e justamente recordado como um dos melhores diplomatas da sua geração. No momento do seu desaparecimento, é justo render-lhe sentida homenagem, como seja pelo decisivo contributo que deu para o processo de consolidação da paz em Angola”, destacou o presidente da Assembleia da República.

Em seu nome e da Assembleia da República, Ferro Rodrigues transmitiu depois à família de António Franco, “muito em especial, à sua mulher, embaixadora Ana Gomes”, o seu “profundo pesar” e “as mais sentidas condolências”.