A ligação pedonal entre a ribeira de Abade, em Gondomar, ao Palácio do Freixo, no Porto, ficou esta quinta-feira concluída, após um impasse que durou mais de dez anos, traduzindo-se num novo troço de passadiços junto ao rio Douro.

Existiu uma divergência, em 2009, entre as câmaras de Gondomar e do Porto sobre quem tinha de concluir as obras da POLIS naquele local, se Gondomar ou o Porto. E o local permaneceu em terra batida. Hoje foi inaugurado o resto de obra que faltava e permite uma fluidez agradável entre as duas cidades”, descreveu, à agência Lusa, o presidente da câmara de Gondomar Marco Martins.

De acordo com o autarca, a divergência quanto aos limites da obra foi “sanada”, o que permitiu a Gondomar completar os passadiços da zona, num percurso, entre a Casa Branca de Gramido, em Valbom, e o Palácio do Freixo, em Campanhã.

O percurso, agora com mais de três quilómetros de extensão, conta com vários parques de estacionamento, uma ciclovia, zonas de descanso, diversos equipamentos de apoio e informação, mobiliário urbano e iluminação pública, conforme é descrito em informação camarária remetida à Lusa. Este novo troço de passadiço junto ao rio Douro representou um investimento de cerca de 145 mil euros.

Marco Martins revelou, ainda, que no futuro pretende estender este percurso pedonal, para montante, até praia de Marecos em Jovim, o que significa um aumento de cerca de três quilómetros.

O autarca estima que o concurso para essa empreitada seja lançado no próximo ano.

Marco Martins quer que rios como o Douro, o Torto, o Tinto ou o Ferreira, bem como a ribeira da Archeira passem todos a estar dotados destas infraestruturas, num plano que tem como horizonte temporal 05 anos para um total de 25 quilómetros de passadiços.