Rui Sena será o primeiro diretor artístico do Centro de Inovação Cultural da Covilhã que está a ser criado naquela cidade a partir da requalificação integral do antigo Teatro Municipal.

A informação foi esta quinta-feira confirmada pelo presidente da Câmara da Covilhã, Vítor Pereira, que sublinhou a experiência e currículo apresentados por Rui Sena, que, entre outras atividades no setor, já exerceu funções de programador cultural do Teatro da Virgínia, em Torres Novas.

É o homem certo para o lugar certo. É um homem com provas dadas, com pergaminhos e experiência no domínio da direção artística. É alguém que de facto conhece aquele meio e com um currículo que fala por si”, referiu Vítor Pereira.

O autarca deste município do distrito de Castelo Branco também se mostrou satisfeito com o facto de Rui Sena ser natural da Covilhã, o que lhe confere um conhecimento da região que poderá ser uma mais-valia para o desempenho de funções.

Confiamos plenamente na sua capacidade, na sua vontade, para organizar equipas, trabalhar e programar aquilo que é necessário para dar vida àquele grande projeto”, acrescentou.

Sobre a inauguração da obra, que implica um investimento de cerca de quatro milhões de euros, Vítor Pereira explicou que a data inicialmente prevista do dia 20 de outubro será “difícil” de cumprir, uma vez que os trabalhos abrandaram com a pandemia da Covid-19.

Seja em outubro ou seja em novembro, o importante é que a obra esteja pronta e ao serviço da população”, disse.

Rui Sena é licenciado em Estudos Teatrais pela Universidade de Évora. Entre 2014 e 2018 foi diretor artístico do Teatro Virgínia, em Torres Novas. É fundador e diretor artístico da Quarta Parede – Associação de Artes Performativas.

Em 1974, foi um dos membros fundadores do GICC – Teatro das Beiras, onde permaneceu até ao ano 2000.