Sim, ok, mas à condição. A UEFA pronunciou-se esta sexta-feira sobre a situação financeira do FC Porto e, apesar de ter cumprido de forma parcial as regras a que estava sujeito, vai continuar a ter restrições relacionadas com a questão do fair play financeiro ainda na próxima temporada de 2020/21, onde já tem garantida entrada direta na fase de grupos da Liga dos Campeões com o respeitante encaixe direto superior a 40 milhões de euros.

FC Porto obrigado a dezenas de milhões em mais-valias. As semelhanças (e as diferenças) com o cenário em 2016

“Considerou-se que o FC Porto cumpriu apenas parcialmente as metas estabelecidas para a temporada 2019/20 e, como resultado, as medidas desportivas condicionantes previstas no seu acordo, como a limitação do número de jogadores na lista A (nas competições europeias) e as restrições de transferências, continuarão a aplicar-se na temporada 2020/21″, explicou o órgão que tutela o futebol europeu em comunicado.

O Órgão de Controlo Financeiro de Clubes da UEFA (CFCB), que supervisiona a aplicação do Sistema de Licenciamento de Clubes da UEFA e dos Regulamentos de Fair Play Financeiro, anunciou ainda outras medidas para mais clubes que apresentaram a sua inscrição nas competições europeias da próxima temporada.

FC Porto “cumpriu parcialmente” metas do fair-play financeiro da UEFA em 2018/19

Assim, o Galatasaray (Turquia), o Kairat Almaty (Cazaquistão) e o Maccabi Telavive (Israel) cumpriram os objetivos na época que agora terminou mas vão continuar com as mesmas regras para 2020/21; o Cluj (Roménia) cumpriu o objetivo geral do seu acordo assinado em junho de 2019 e, por isso, vai sair do regime a que estava sujeito; o Lille (França), o Basaksehir (Turquia) e o Wolverhampton (Inglaterra) não cumpriram os requisitos do ponto de equilíbrio em termos financeiros e consentiram traçar agora acordos para se sujeitarem a novas regras.

UEFA castiga FCP: multa de 700 mil euros, prémios retidos e menos jogadores inscritos