A maior parte dos portugueses acredita que a economia vai piorar no segundo semestre do ano. São 54,1% os inquiridos numa sondagem da Intercampus para o Jornal de Negócios e Correio da Manhã/CMTV que diz que até ao final do ano a economia ainda vai ter uma quebra maior do que a quebra história que já teve de 16,3% no segundo trimestre.

Só 17,6% dos inquiridos acredita que o cenário económico do país vai melhorar daqui para a frente. Há ainda uma fatia considerável, de 22,6%, de pessoas não acreditam nem numa coisa nem noutra: defendem que tudo se vai manter igual como está.

Para se chegar a estes dados, foram entrevistadas 601 pessoas de uma amostra da população portuguesa com 18 e mais anos de idade, eleitoralmente recenseada e residente em Portugal Continental. A amostra, garante a Intercampus, é proporcional por sexo, por idade e região e foi selecionada a partir da geração aleatória de números de telefone fixo e móvel. A margem de erro, para um intervalo de confiança de 95%, é de ± 4,0%.

Na sexta-feira já tinham sido revelados outros dados desta sondagem, mas relativamente ao que os portugueses achavam que o Governo devia fazer numa eventual segunda vaga da Covid-19. Mais de 40% concordam que o confinamento deva ser imposto só nas zonas mais afetadas pela pandemia; 30,3% não defende esta medida em caso algum; e 22,3% acha que o Governo deve impor o confinamento novamente.