O presidente dos Estados Unidos afirmou que irá nomear o sucessor da juíza do Supremo Tribunal do país Ruth Bader Ginsburg, que morreu esta sexta-feira, “o quanto antes”.

“Fomos colocados nesta posição de poder e importância para tomar decisões pelas pessoas que nos elegeram com tanto orgulho, a mais importante das quais, tem sido há muito, considerada a escolha dos juízes do Supremo Tribunal dos Estados Unidos”, lê-se numa publicação feita este sábado por Donald Trump, na sua página de Twitter, acrescentando que é necessário tomar esta decisão “o quanto antes”.

Segundo a Reuters, a morte da magistrada, aos 87 anos devido a complicações de um cancro pancreático, irá permitir ao presidente dos Estados Unidos ter uma maioria conservadora na mais alta instância judicial do país.

O Supremo Tribunal dos Estados Unidos é composto por nove magistrados, todos confirmados pelo Senado — atualmente de maioria republicana — após nomeação do presidente dos Estados Unidos. O líder do Senado, Mitch McConnell, já fez saber que irá submeter a votação a pessoa que Trump nomear. Algo que se não fez em 2016, após a morte de Antonin Scalia, juiz conservador do Supremo Tribunal.

Com a morte de Ginsburg, o Supremo Tribunal fica com cinco juízes conservadores e três progressistas e se o presidente dos Estados Unidos conseguir a aprovação da sua escolha, o balanço ficará seis para três.

Joe Biden, candidato contra Trump pelo democratas às eleições presidenciais norte-americanas — que se realizam no próximo dia 3 de novembro — já veio dizer que deveria ser o próximo presidente dos Estados Unidos a escolher quem deveria ocupar o lugar deixado vago na sequência da morte de Ruth Bader Ginsburg.

Juíza Ginsburg. “Morreu? Não sabia. Era uma mulher incrível”, diz Trump. Biden quer sucessor escolhido por novo presidente