A meio de março, quando a pandemia parou o futebol sem data de regresso previsível, a imprensa desportiva não tinha dúvidas: João Palhinha, que terminaria o empréstimo de duas temporadas ao Sp. Braga no final de 2019/20, não desejava voltar a Alvalade, preferindo arriscar uma primeira aventura no estrangeiro. Da parte do Sporting, a ideia passava por tentar vender o médio, sabendo que, caso essa saída de verificasse em agosto ou setembro, os minhotos teriam direito a 15% dessa transferência. Alguns capítulos depois, o jogador renovou até 2025.

“Estou muito feliz por assinar mais uma renovação com um dos Clubes que me formou e teve um papel muito importante no meu crescimento. Quero deixar uma imagem diferente da que deixei no passado. É isso que quero mostrar aos Sportinguistas e a toda a gente: o que realmente valho. Se já tivesse saído do Sporting, como tanto se especula neste momento, iria partir talvez de uma forma que não era condizente com todo o trajeto que fiz neste clube, principalmente na formação e na equipa B. Sair da equipa A com aquele sentimento de não ter demonstrado o meu valor e o meu potencial deixaria sempre um sabor amargo. Encaro esta nova oportunidade com a máxima motivação e quero ajudar o clube a conquistar os seus objetivos”, disse aos órgãos do clube.

Depois de ter dado nas vistas no Sacavenense, com quem o Sporting teve um protocolo na formação, Palhinha mudou-se para os leões nos juniores, tendo depois passado pela equipa B antes de ser cedido ao Moreirense, em 2015/16. Nas épocas seguintes, o médio andou entre Alvalade e mais empréstimos, entre Belenenses e Sp. Braga, onde chegou em 2018 num acordo de duas temporadas. Este verão, o jogador esteve a treinar à parte dos restantes elementos comandados por Rúben Amorim mas, depois de se falar muito de uma possível transferência para a Liga espanhola (Betis, entre outros), para a Premier (Wolverhampton) ou para a Rússia (CSKA), acabou não só por ser reintegrado como por ficar no plantel,  adiando a estreia por ser um dos jogadores com Covid-19.

“Rúben Amorim é um treinador que sabe as qualidades que tenho. Pessoalmente, gosto muito do mister pela empatia que tenho com ele, por isso é que digo que tenho todas as condições para demonstrar o meu valor e a equipa também. Todos juntos vamos chegar a bom porto”, salientou ainda. “Estamos todos confiantes para o que aí vem. Sabemos que o grupo tem qualidade, é jovem e tem muito potencial. Temos um excelente plantel, acredito que podemos surpreender ao longo desta época. Podemos prometer muito trabalho, esforço e dedicação. O importante agora é trabalharmos como temos vindo a trabalhar, evoluir nos aspetos que temos de evoluir e, como disse, temos todas as condições para ser uma surpresa esta época”, concluiu o médio de 25 anos.