Acreditou que podia vencer, telefonou ao vencedor a dar os parabéns mas está convicto: “Mesmo com o actual presidente, nada será como dantes” e a sua luta foi por “um Benfica diferente, mais próximo da sua essência e mais digno do emblema, um Benfica mais ambicioso”.

João Noronha Lopes partiu às eleições do Benfica como empresário de sucesso mas pouco conhecido no universo benfiquista, foi à luta nas eleições mais votadas da história do clube e saiu com 34,71% dos votos e mais de 250 mil votos (261.574, mais especificamente) e não foi eleito presidente como desejava, mas tornou-se uma voz de relevo na atualidade do clube. No discurso de despedida, assumiu a derrota mas disse estar “orgulhoso” da campanha “gloriosa”. As divergências com a direção benfiquistas, essas podem ficar mais silenciadas ou chutadas para tempo oportuno — mas não parecem demasiado fundas para desaparecer.

O elogio aos “sócios que encheram as ruas e esperaram horas a fio”

“Sou do Benfica e isso me envaidece”: Foi assim, como uma referência ao hino oficial do clube que mereceu palmas dos apoiantes na sede de campanha, que João Noronha Lopes iniciou o seu discurso — ele que foi o segundo candidato a falar, depois de Rui Gomes da Silva, o menos votado, ter reagido à noite eleitoral.

Disse de seguida o candidato: “Estou aqui hoje depois de uma intensa caminhada que culminou na eleição mais votada do Sport Lisboa e Benfica. E a minha primeira palavra vai para todos os sócios que encheram as ruas e esperaram horas a fio para poder votar. Foi uma grande lição de participação e de benfiquismo, que nos faz a todos ficar ainda mais orgulhosos de fazermos parte do melhor clube do mundo”.

Quero deixar uma palavra para os outros candidatos que enriqueceram o debate e a troca de ideias”, disse ainda, naquele que foi o momento em que mais estendeu a mão ao vencedor, Luís Filipe Vieira.

Vieram, de seguida, os agradecimentos. Noronha Lopes agradeceu à “fantástica equipa” que o acompanhou “desde o primeiro dia”, nomeadamente à sua lista ao Conselho Diretivo, Mesa da Assembleia Geral e Conselho Fiscal. Agradeceu “aos mais de mil voluntários que ajudaram nesta campanha espalhando com o seu entusiasmo o benfiquismo por esse país inteiro” e “aos milhares que se reviram nesta candidatura e votaram em mim”. E agradeceu já emocionado ao pai, “o culpado disto tudo”, e à família — “à minha mulher que me deu forças para avançar e aos meus filhos que não me largaram a beira e que fizeram parte desta campanha”.

João Noronha Lopes: “Fizemos tudo por um Benfica diferente, mais digno”

A luta por um “Benfica diferente, mais digno do emblema”

Assumindo a derrota, o segundo candidato mais votado apontou: “Esta foi uma experiência que reforçou ainda mais o enorme amor que tenho pelo Benfica. O meu pai ensinou-me que somos benfiquistas mas somos ainda mais benfiquistas nas derrotas. E portanto sinto o mesmo hoje, sou ainda mais benfiquista depois desta campanha memorável. Minhas amigas e meus amigos, estou aqui hoje muito orgulhoso do caminho que percorremos”.

Foi uma campanha gloriosa. Fizemos tudo para mostrar que é possível lutar por um Benfica diferente, mais próximo da sua essência e mais digno do emblema. Um Benfica mais ambicioso”, aponta.

Assumindo não ser “o resultado” que a sua candidatura “desejava”, notou: “Tenha o certeza que esta não foi uma luta perdida. E a tremenda expressão da massa associativa diz-nos que o Benfica está vivo e que ninguém pára o Benfica”.

“Mesmo com o atual presidente, nada será como dantes”. Recado ou desejo?

Além de queixas sobre a pouca recetividade às propostas da sua lista por parte da Mesa da Assembleia Geral, o candidato pediu aos jovens, em especial os que o apoiaram, que “conservem” a esperança e que mantenham “amor e dedicação ao clube”, porque “o futuro é deles” e “o Sport Lisboa e Benfica também é deles”.

Fiz a minha parte e os que se juntaram a mim nesta caminhada fizeram a sua. Já tive oportunidade de ligar ao presidente Luís Filipe Vieira para o felicitar pela vitória nestas eleições. Com uma certeza: mesmo com o actual presidente, nada será como dantes. E com essa mudança, com esse grau de exigência, será o Sport Lisboa e Benfica, o nosso querido clube, que ganhará. E quando ganha o Benfica, ganhamos todos”, prosseguiu.

João Noronha Lopes rematou: “Por isso muito obrigado a todos. Amanhã é outro dia, é dia de jogo. Voltarão os cachecóis, voltaremos alguns de nós aos nossos lugares. Vamos apoiar o Benfica, vamos ganhar. Viva o Benfica”.