Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A investigação aos 4,7 milhões de euros de alegadas ‘luvas’ que a construtora brasileira Odebrecht terá pago pela adjudicação da barragem do Baixo Sabor já está a identificar os circuitos financeiros. Pelo menos, dois milhões de euros com origem nas contas da Odebrecht terão passado entre dezembro de 2008 e março de 2009 pela conta bancária que o empresário José Carlos Gonçalves teria no Espírito Santo Banker Dubai, o banco do Grupo Espírito Santo nos Emirados Árabes Unidos.

Isso mesmo se pode constatar ao ler o despacho de 11 de novembro de 2020 da autoria do procurador Hugo Neto. “Apurou-se nestes autos que a maior parte das transferências (a 2/12/2008 de 330.065 euros; a 23/12/2008 de 550.095 euros; a 19/01/2009 de 550.095 euros; a 10/02/20009 d 250.065 euros; a 5 de março de 2009 de 350.065 euros) para o Espírito Santo Bank Dubai associadas ao codinome Príncipe e à barragem do Baixo Sabor se destinaram a José Carlos Gonçalves”, lê-se num despacho de 11 de novembro consultado pelo Observador nos autos do caso EDP.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.