Francisco Rodrigues dos Santos entende que Eduardo Cabrita não tem condições para continuar à frente do Ministério da Administração Interna. Num comunicado enviado às redações, o líder do CDS alude às mais recentes polémicas — a confusão entre a PSP e a GNR a propósito do transporte de vacinas em Évora ou o diferendo sobre os boletins de voto nas eleições presidenciais — para desafiar António Costa a puxar o tapete ao ministro.

“Sucedem-se os inquéritos, mas o ministro vai-se arrastando penosamente nas suas funções. Eduardo Cabrita tem o efeito de ‘toque de Midas’, mas ao contrário. Onde toca, os resultados não podiam ser piores. Até quando vai permitir este embaraço nacional, Sr. Primeiro Ministro?”, desafia o líder do CDS.

Ao longo da nota, Francisco Rodrigues dos Santos elenca as várias polémicas em que se viu envolvido Eduardo Cabrita: a compra de gola inflamáveis, a morte de um cidadão ucraniano nas instalações do SEF, a desautorização às mãos do diretor nacional da PSP, o caso de Alter do Chão e, mais recentemente, o diferendo entre a GNR e a PSP em Évora ou a “trapalhada com os boletins de voto para as eleições presidenciais”.

“Como é que Eduardo Cabrita ainda é Ministro da Administração Interna? A simples pergunta, a que nenhum português consegue responder, diz muito sobre a erosão do conceito de responsabilidade política que vigora em Portugal”, sublinha Francisco Rodrigues dos Santos.