A Lexus, a marca de luxo do grupo Toyota, revelou o LF-Z Electrified Concept, o protótipo destinado a mostrar com que tipo de veículo eléctrico será reforçada a gama. Além de formas de SUV e de uma estética arrojada, o LF-Z surpreende por algumas das tecnologias a que recorre.

Utilizando a plataforma e-TNGA, a primeira do grupo japonês concebida especificamente para veículos eléctricos a bateria, o LF-Z promete sistema de tracção integral com um motor por eixo – que no futuro pode passar a dois por eixo para melhor modular o comportamento e a tracção –, direcção por fio (drive by wire) e uma autonomia de 600 km.

O novo protótipo exibe um comprimento de 4,88 metros, 1,96 m de largura e 1,60 m de altura, com uma generosa distância entre eixos de 2,95 m, o que lhe permite espaço mais que suficiente na plataforma para alojar baterias de grande capacidade. A Lexus menciona um acumulador com 90 kWh, o que estima ser capaz de assegurar uma autonomia de 600 km segundo o método europeu WLTP – um valor interessante, se tivermos em conta o facto de o LF-Z prever um peso na casa dos 2100 kg.

O construtor japonês não especifica a química da bateria, além de que recorre a iões de lítio, mas anuncia que pode recarregar a potências de até 150 kW. Os dois motores atingem um total de 400 kW (cerca de 544 cv) e um binário de 700 Nm, o suficiente para ir de 0-100 km/h em somente 3 segundos e deslocar-se até um máximo de 200 km/h.

9 fotos

Lá dentro, o realce vai para um tablier que a marca denomina Tazuna cockpit, em que é visível um sistema multi ecrã com realidade aumentada, para melhor responder às necessidades do utilizador. O tejadilho em vidro adapta-se automaticamente à luminosidade exterior, mas o pormenor que mais salta à vista é o volante yoke, tipo manche de avião e similar ao que a Tesla passou a utilizar. Afirmam os técnicos da Lexus que tal só é possível por o LF-Z recorrer a um sistema de direcção sem qualquer ligação mecânica e com apenas fios eléctricos a ligar o volante ao pinhão e cremalheira, o que lhe permite girar pouco mais de meia volta para qualquer um dos lados, única solução em que este tipo de volante não implica limitações.

Além de avançar um consumo médio de 15 kWh/100 km, um bom valor para um modelo destas dimensões, nos tempos que correm, a Lexus promete ainda uma garantia de um milhão de quilómetros.

O construtor japonês afirma pretender lançar no mercado 20 veículos novos ou remodelados, incluindo mais de 10 eléctricos, híbridos ou PHEV, para satisfazer as necessidades dos clientes nos mercados em que opera.