441kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Boletim DGS. R(t) chega a 1 em Portugal continental. Valor nacional é inferior

Este artigo tem mais de 1 ano

O índice de transmissibilidade do novo coronavírus referente a Portugal continental é 1. O valor nacional manteve-se mais baixo, atingindo os 0,98 esta segunda-feira. Este domingo, o R(t) era de 0,97.

Daily Life In Lisbon Amid COVID-19 Pandemic
i

Desde o início da pandemia foram confirmados em Portugal 16.885 mortes devido à Covid-19 e 323.494 casos desta doença

NurPhoto via Getty Images

Desde o início da pandemia foram confirmados em Portugal 16.885 mortes devido à Covid-19 e 323.494 casos desta doença

NurPhoto via Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O índice de transmissibilidade do novo coronavírus registou um aumento nas últimas 24 horas, tanto a nível nacional como em Portugal continental. De acordo com o boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a situação epidemiológica no país, o R(t) referente a Portugal continental é 1. O valor nacional manteve-se abaixo de 1, atingindo os 0,98 esta segunda-feira. Este domingo, o R(t) era de 0,97 nos dois parâmetros.

A incidência registou, pelo contrário, uma ligeira subida, encontrando-se atualmente nos 62,8 casos de infeção por cada 100 mil habitantes a nível nacional (no domingo, estava nos 65,6 casos de infeção). No caso de Portugal continental, a incidência é de 60,9 casos de infeção por casa 100 mil habitantes.

Na matriz de risco, Portugal encontra-se cada vez mais próximo da cor amarela, como ilustra este gráfico:

Mortes sobem nas últimas 24 horas. Óbitos foram registados em Lisboa e Vale do Tejo, Norte e Centro

A DGS comunicou ainda que, nas últimas 24 horas, foram confirmadas em Portugal 6 mortes e 159 novos casos. Trata-se de uma descida de casos e de um aumento nas mortes relativamente ao dia anteriores, como é habitual à segunda-feira. Este domingo, foram contabilizados quatro óbitos e 193 novos casos. Desde o início da pandemia foram confirmados em Portugal 16.885 mortes devido à Covid-19 e 323.494 casos desta doença.

Das seis vítimas mortais confirmadas nas últimas 24 horas, cinco eram homens e uma era mulher. Esta tinha entre 60 e 69 anos e os homens mais de 69 anos (dois entre 70 e 79 e três com 80 ou mais anos).

As seis mortes confirmadas ocorreram nas regiões de Lisboa e Vale do Tejo, Norte e Centro, com cada zona a registar dois óbitos. A maioria dos casos foi, como é habitual, registada em Lisboa e Vale do Tejo, onde foram comunicados 65 casos (41% do total). O Norte tem agora mais 44 casos (28%); o Algarve 32 (20,1%); o Centro cinco (3,1%) ; e o Alentejo dois (1,3%).

Madeira e Açores registaram nove (5,7%) e dois casos (1,3%), respetivamente.

O número de casos ativos e de contactos em vigilância desceu. No caso dos primeiros, são menos 168, num total de 25.966; no caso dos segundos, houve uma diminuição de 32, num total de 15.928. Desde o início de outubro que não se registava um número tão baixo de casos ativos em Portugal.

Internamentos em enfermaria com maior subida desde 21 de março

De acordo com a DGS, foram internadas mais 19 pessoas com Covid-19 nos hospitais portugueses. Trata-se da maior subida desde 21 de março, quando foram registados 21 internamentos. A subida desta segunda-feira acontece depois de no domingo se ter registado também um crescimento, desta vez de mais cinco. Trata-se, portanto, da segunda subida consecutiva nos internamentos em enfermaria depois de vários dias em queda.

Nos cuidados intensivos (UCI), os números continuam a descer. Esta segunda-feira, a DGS deu conta de menos cinco pessoas internadas nestas unidades, num total de 112. O número de internamentos em enfermaria é atualmente 536.

Nas últimas 24 horas, foram dadas como recuperadas 321 pessoas, num total de 780.643 desde o início da pandemia.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.