A cerca sanitária em Longueira-Almograve e São Teotónio permitiu baixar os casos de infeção por Covid-19 no concelho de Odemira para menos de metade, garantiu o ministro da Administração Interna, esta quinta-feira, no Parlamento, tendo também acusado a direita de “hipocrisia”. Eduardo Cabrita falava no encerramento do debate de urgência requerido pelo PAN sobre a situação dos imigrantes que trabalham nas explorações agrícolas na zona de Odemira.

“A cerca sanitária está a produzir efeitos, porque desde a última semana Odemira tem muito menos de 50% dos casos de infeção do que tinha no dia em que a cerca foi instaurada”, afirmou Eduardo Cabrita, especificando que “são 46 casos ativos ontem [quarta-feira], quando há uma semana eram 123”. O ministro defendeu que “é esse o caminho pelo direito à saúde, pelo direito à vida, mas esse direito é para todos, é para os odemirenses lá nascidos e é para os 10 mil cidadãos nascidos noutras terras, da Alemanha ao Nepal, todos iguais, todos com direitos que lá vivam com direito de residência permanente”.

Odemira. Cerca de 50 imigrantes realojados na madrugada no Zmar e na Pousada da Juventude. Aparato policial criticado

As freguesias de Longueira-Almograve e São Teotónio, no concelho de Odemira, estão em cerca sanitária desde a semana passada por causa da elevada incidência de covid-19.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Este debate que aqui hoje é travado é de facto um debate sobre direitos humanos, é um debate sobre o direito à vida, é um debate sobre o direito à saúde, é um debate sobre o direito ao trabalho com direitos, é um debate sobre o direito à habitação, e de facto o Governo não descobriu Odemira nesta semana. Não estamos como a direita que confunde, faz rimar, pandemia com hipocrisia”, criticou Eduardo Cabrita na intervenção no encerramento do debate de urgência requerido pelo PAN sobre a situação dos imigrantes.

O ministro garantiu que, “com a mesma frontalidade” com que tem “coordenado a aplicação das medidas de estado de emergência e agora a coordenação das medidas em situação de calamidade que colocam Portugal como o país com os melhores resultados de incidência da pandemia em toda a União Europeia”, o executivo não esconde “os problemas reais”.

Destacando que o Governo adota “as medidas necessárias” no âmbito da pandemia, o ministro referiu a cerca sanitária em Ovar, “onde foram mobilizadas instalações privadas de hotelaria”, a aplicação de medidas diferenciadas em 19 freguesias na zona de Lisboa e as medidas adotadas agora “nos termos da lei de bases da Proteção Civil, defendendo as populações, defendendo o Estado de direito”.

O ministro da Administração Interna advogou igualmente que o Governo quer “que os empresários assumam aqui o compromisso de responsabilidade social, que significa que só há futuro para a economia com trabalho com direitos, com direito à habitação”.

“E para isso faremos tudo, por Portugal e pelos odemirenses”, vincou.