Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Demi Lovato identificou-se esta quarta-feira como sendo uma pessoa não-binária (não se identifica exclusivamente com o género feminino ou masculino) e, por isso, pretende que as outras pessoas usem os pronomes pessoais plurais “they” e “them” para se referirem a si. Na língua inglesa, estes pronomes não têm género, são neutros (ao contrário do que acontece em português, em que se utiliza o eles/elas associados ao género masculino e feminino. Para dar a volta a esta questão, a comunidade apresenta como alternativa usar “el”, “ilu”, “elu” ou “ile”, quando o sujeito da frase é uma pessoa não-binária, mas tal não está previsto no Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa).

O anúncio foi realizado esta quarta-feira na conta de Twitter, onde Demi Lovato explica que estes pronomes são “os que melhor representam a fluidez que sinto na expressão do meu género”. “Faço isto por aqueles que ainda não foram capazes de partilhar quem realmente são com as pessoas que amam”, diz.

Demi Lovato prefere pronomes "they" e "them"

Mostrar Esconder

Em inglês, ao contrário do que acontece na língua portuguesa, os pronomes “they” e “them” não sofrem alterações em função do género do sujeito.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Lovato diz que está “feliz” e que tem “orgulho” na revelação que fez nas redes sociais, admitindo que surge depois de muita “regeneração e trabalho de auto-reflexão”. “Ainda estou a aprender a entrar em mim; e não afirmo ser especialista ou porta-voz. Compartilhar isto convosco agora abre outro nível de vulnerabilidade para mim”, admitiu.

Demi Lovato revelou ainda que vai publicar uma série de vídeos em que conversa com outras pessoas não-binárias para contribuírem para uma maior literacia sobre a identidade de género. O primeiro convidado será Alok Vaid-Menon, também de género não-binário, que utiliza os pronomes they/them, é ativista da comunidade LGBTQ+ e pessoa amiga de Demi Lovato.

Anthony Allen Ramos, da Aliança Gay e Lésbica Contra a Difamação, admitiu que a revelação de Demi Lovato será importante para a causa LGBTQ+: “Demi será sempre des maiores e mais orgulhoses ativistas para as pessoas LGBTQ e as suas questões. Ao partilhar a sua história hoje, el vai educar inúmeras pessoas em todo o mundo e a chegar a outras pessoas não-binárias com uma mensagem de orgulho” — em português, uma das alternativas apontadas pelas comunidade para haver isenção de género quando se fala de pessoas não binárias passa por substituir as vogais “a” e “o”, que determinam se o sujeito da frase é masculino ou feminino, por “e”, que não tem género.

Em março, Demi Lovato também revelou que era pansexuais: “Sou fluida agora, e parte da razão por que sou assim é porque estive fechada no armário”, disse à época. Na mesma entrevista, referiu que quando ouvia alguém referir-se à comunidade LGBTQ como “a máfia do alfabeto” assumia: “Sou orgulhosamente parte da máfia do alfabeto”.

*artigo atualizado com referência ao Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa