Bottomless Brunch do Dear Breakfast

Calçada Ribeiro Santo, 37, Santos. Segunda a Sexta 09h às 16h, sábado e domingo 09h às 17h.

Para encher o copo às vezes que quiser: além dos dois restaurantes em Santos e no Chiado, o Dear Breakfast passou a organizar também um pop up de fim de semana com um bottomless brunch, quer com isto dizer que por um preço fixo, além da comida, há cocktails ilimitados. A novidade chegou em maio mas o sucesso da coisa fez com que Julien Garrec estendesse este pop up, que tem lugar no terraço do Flat, por mais seis meses. Além das bebidas à discrição, para viver o fim de semana como deve ser, são servidos ovos Benedict, ovos rancheros saudáveis, tartines de salmão, panquecas doces ou salgadas, iced coffee ou lattes, entre outras coisas. A par deste prolongamento, durante o Dear Breakfast pop up no Flat passa a servir também durante a semana, mas desta vez a carta comum aos dois restaurantes.

O pop up de Santos passa também a estar aberto durante a semana, mas a servir a carta normal dos outros dois Dear Breakfast

Exposição “Tudo o que eu quero — Artistas portuguesas de 1900 a 2020”

Avenida de Berna, 45A, Praça de Espanha. Quartas a segunda 10h às 18h. Entrada gratuita.

Para ver obras assinadas no feminino: a partir desta semana o mundo é das mulheres na Fundação Calouste Gulbenkian. A mostra “Tudo o que eu quero — Artistas portuguesas de 1900 a 2020” traz ao museu trabalhos de 40 mulheres artistas portuguesas desde o início do século XX até aos nossos dias. Entre pintura, escultura, desenho, objeto, livro, instalação, filme e vídeo, estarão expostas cerca de duas centenas de obras. O ponto de partida da exposição é o icónico autorretrato de Aurélia de Sousa, pintado em 1900, e serve de reflexão sobre um contexto de criação que durante muitos séculos foi quase exclusivamente masculino. Maria Helena Vieira da Silva, Lourdes Castro, Paula Rego, Ana Vieira, Salette Tavares, Helena Almeida, Joana Vasconcelos, Fernanda Fragateiro e Grada Kilomba são algumas das artistas com obras patentes.

Obras de Helena Almeida estarão presentes na exposição que dá ênfase às mulheres artistas portuguesas

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Yamatai

Av. Praia da Vitória, 11, Saldanha. 96 714 5938. Terça a domingo 12h às 15h e das 19h às 22h30.

Para ir da China ao Japão: o famoso Dinastia Tang, em Marvila, seguiu o caminho inevitável que muitos dos complexos do bairro foram obrigados a seguir depois de o senhorio não ter renovado contratos: foi obrigado a fechar. Marisa Cerqueira, que era uma das donas do restaurante chinês, não baixou os braços e como apaixonada pela cultura asiática decidiu encerrar o capítulo China para abrir o capítulo Japão. O seu novo restaurante, o Yamatai, fica no Saldanha e trouxe do país do sol nascente o menu e a decoração — toda ela em materiais nobres e objetos alusivos àquela cultura como os leques ou os cortinados. Mas para Marisa o importante era trazer a autenticidade da comida que por lá se faz e que tão bem caracteriza o Japão para este espaço com 75 lugares. A começar pelas entradas frias e quentes saltam à vista o uzo-zukuri mix (18 euros), com fatias finas de vários peixes, gyozas de legumes e porco (5,50 euros), ou nasu dengaku (6 euros), que é beringela assada e miso. A aposta forte é no sushi tradicional com algumas peças de fusão, existindo ainda alguns combinados das 12 às 42 peças (15 – 47 euros). Os pratos quentes são alguns dos mais pedidos da casa como é o caso do nabe-yaki udon (18 euros), um caldo com massa udon, o katsu domburi (13 euros), que é porco panado, ou yaki-soba kinoko (12 euros), massa salteada com shitake.

Os pratos quentes do menu, como este katsu donburi, têm sido dos mais pedidos pelos clientes, admite Marisa. ©DR

Eat, Pray, Love

Travessa do Carvalho, 27-29, Cais do Sodré. Quarta a domingo 10h30 às 22h30. 21 248 0548.

Para se armar em Julia Roberts: o novo restaurante no Cais do Sodré não engana ninguém — é inspirado no filme Eat, Pray, Love e até lhe roubou o nome. É café, restaurante e bar e orgulha-se de ter um menu com opções saudáveis de brunch, almoço e jantar, fazendo parte do mesmo grupo que também detém O Bom, O Mau e o Vilão e o Le Chat. Aos fins de semana o brunch (16,50 euros por pessoa) é o grande atrativo e inclui uma tosta de ovo escalfado com molho de curcuma, açaí, uma bowl de iogurte e fruta, pudim de chia, cesto de vários pães, panquecas e uma série de bebidas quentes e frias. O restante menu é diverso e vai desde a sopa de amêndoa (3,80 euros), burrata com frutos secos e tomate (7,20 euros), couve flor assada (6 euros), tagine de couscous e legumes (11 euros), pot pad thai de noodles com frutos secos, legumes, frango ou tofu (12 euros), hambúrgueres de cogumelo, grão, salmão ou franco (10 – 13,50 euros). A ligação ao bem-estar não se esgota no menu — o restaurante organiza também aulas de yoga ao ar livre que no fim têm direito a um brunch, sendo que as aulas vão sendo anunciadas no Instagram.

O restaurante, que serve refeições de manhã à noite, organiza também aulas de yoga ©DR

Sleep IN

Colégio Militar – Estrada da Luz, Carnide. Até 6 de junho. Segunda a domingo 14h30 às 21h.

Para passar os olhos por cenários inventados: nasceu no Porto em 2016 o Sleep IN, uma mostra de arquitetura e design de interiores e tem percorrido espaços emblemáticos como o Forte de São João Baptista ou o Mosteiro da Serra do Pilar. Este ano a edição do evento desce a Lisboa e instala-se no Palácio dos Condes de Mesquitela no Colégio Militar, sendo o tema Corrupção. Assim sendo, o  Sleep in Corruption Edition convida doze arquitetos e designers de interiores a criarem no palácio ambientes para personagens fictícias que ficariam ali alojadas, para que os visitantes tenham uma ideia das tendências e materiais de cada uma das histórias. Estas podem ser acompanhadas na página de Instagram do evento.

A exposição compõem várias cenários que respondem às histórias fictícias criadas pelos arquitetos e designers ©DR

Mercado P’LA ARTE

Rua G à R. Fernando Palha Lote 8 Loja 3,  Lisboa. Sábado 10h às 19h

Para pôr os olhos e as mãos na arte: este sábado chega mais uma edição do mercado P’LA ARTE, no Prata Riverside Village, Braço de Prata. A iniciativa, que resulta de uma parceria com a VIC Properties, permite a quatro dezenas de artistas expor, apresentar e comercializar o seu trabalho num parque de estacionamento ainda em construção, sem ter de pagar qualquer taxa ou comissão de venda. Marcam presença também cinco editoras independentes numa zona destinada à venda de livros, sendo que ao longo do dia haverá também momentos de música e workshops.

O mercado é uma boa oportunidade para conhecer os artistas e o respetivo trabalho ©DR

Brunch Six Senses Douro Valley

Quinta Vale de Abrão, Samodães, Lamego. Brunch aos domingos. Reservas: reservations-dourovalley@sixsenses.co m / 254 660 600.

Para viver um dia especial no Douro: do restaurante ao spa, o Six Senses Douro Valley tem história, luxo e sustentabilidade. A unidade hoteleira, distinguida pelo guia britânico Gallivanter’s Guide como o “melhor hotel resort da Europa”, está envolta num cenário bucólico, digno de filme, daqueles que são uma autêntica escapadinha da cidade para o campo. E há novidades. O Six Senses decidiu, pela primeira vez, abrir as portas aos habitantes locais para um brunch que não requer estadia — acontecem aos domingos e têm um preço fixo, para ir à confiança. A comida fica a 50 euros e pode juntar vinhos e cocktails em regime free flow por mais 35 euros, sendo que o brunch se divide em quatro momentos. Primeiro com entradas como pão de massa mãe, salada orgânica com ingredientes do jardim, bowl de beterraba ou de batata doce, ostras de Aveiro e camarões, sendo que logo a seguir há pataniscas de polvo, arroz cremoso de cogumelos ou tiradito de robalo. O terceiro momento arranca com peixe selvagem da época, uma seleção de carne maturada feita no carvão e depois tudo culmina nas sobremesas caseiras como o tiramisu com vinho do Porto ou abade priscos com ameixas fermentadas. Convencido?

O brunch tem um preço fixo para a comida e outro para quem quer bebidas à discrição ©DR

Livraria Lello x Time: What Makes a Nobel?

Rua das Carmelitas, 144, Porto. Terça a domingo 10h30 às 19h. 222 002 037.

Para olhar para a história com outros olhos: desde o dia 1 de junho que a icónica Livraria Lello, no Porto, acolhe uma instalação feita em parceria com a revista Time, naquela que dizem ser uma viagem pelos Prémios Nobel da Literatura.  What Makes a Nobel? mostra alguns dos autores laureados pela Academia Sueca que já fizeram capa da revista norte-americana, e outros que apesar de não serem Nobel mereceram primeira página. Esta intervenção tem assinatura do diretor criativo da Time, D.W. Pine, sendo a sua primeira instalação pública, ele que foi responsável já por mais de 500 capas da publicação. Além da instalação, a livraria inaugura também uma sala totalmente dedicada ao único Nobel da Literatura em língua portuguesa, José Saramago. O espaço foi concebido numa parceria com a própria Fundação José Saramago e, a par disso, a Lello edita também, numa colaboração com a Porto Editora, quatro livros do escritor com ilustrações de João Maia Pinto, são eles: Memorial do Convento, Ensaio sobre a Cegueira, O Evangelho segundo Jesus Cristo e As Intermitências da Morte. Pode ler tudo aqui.

A instalação colaborativa com a Time é a primeira obra pública do diretor criativo da revista ©DR

Novo baloiço em Braga

Rua Santa Marta das Cortiças, Esporões. Gratuito.

Para andar para a frente e para trás: a moda dos baloiços no cimo de montanhas com vistas desafogadas para outros montes e vales parece não abrandar. O mais recente fica no topo do Monte de Santa Marta das Cortiças, um dos pontos mais altos de Braga, e já está operacional a 561 metros de altura para que os visitantes e amantes da natureza possam ter uma vista panorâmica sobre a serra. “O Baloiço de Esporões vai valorizar um espaço lindíssimo, como é Santa Marta das Cortiças, potenciando o que temos de natural e tão rico, chamando ao local famílias, amantes da natureza e da fotografia”, explicou numa publicação do Facebook, João Oliveira, presidente da Junta de Freguesia de Esporões. É ir e baloiçar.

Todo o espaço em redor foi requalificado para receber o baloiço, construído com materiais sustentáveis ©DR

Taina Fest

Travessa Bonjóia, 20, Porto. Domingo 16h. Entrada livre

Para viver um arraial mascarado: o Taina Fest, organizado pela Lovers & Lollypops, quer antecipar os arraiais (que não serão como os conhecemos) e volta a ocupar o Centro Cultural de Atletismo de Bonjóia já este domingo, dia 6. A partir das 16h sobem a palco o grupo Jibóia, Paisiel, Ana Pacheco e Ghettoven, tudo num registo de lugares sentados e máscara na cara, como mandam as regras destes tempos. A entrada é livre mas está sujeita à lotação do espaço.

Paisiel é o nome do projeto do baterista, percussionista e escultor sonoro João Pais Filipe e o do saxofonista alemão Julius Gabriel ©DR

Visita virtual ao Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto

Rua Ferreira Borges, 27, Porto. 254320130

Para continuar a ver a cidade pelo ecrã: o Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto (IVDP) apareceu com um portal de cara lavada que além de ter tornado mais fácil a pesquisa pelo património naquilo que chamam de turismo virtual, o instituto lançou também pela primeira vez uma visita em realidade virtual 360º, ao seu edifício histórico, no centro do Porto.“Trata-se de um instrumento lúdico-pedagógico capaz de estimular a vontade de conhecer o espaço em si, percorrer o processo de certificação das DO Porto e Douro, visitar a Região (enoturismo Douro/ caves em Vila Nova de Gaia) ou consumir vinhos do Porto e do Douro”, escrevem em comunicado. A visita virtual 360º ao edifício na Rua Ferreira Borges, em pleno centro histórico, dá uma abordagem realista e imersiva aos diferentes espaços e, a partir de cada um deles, permite conhecer a história e o terroir desta região. Pode ser feita a qualquer momento do dia.

Além da visita virtual, o Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto apareceu com um novo portal que facilita a navegação ©DR

Arte Non Stop em Mértola

Mértola. De 5 a 19 de junho. Bilhetes gratuitos e lugares limitados. Reservas: 286 610 100.

Para ver um festival de arte sem parar no Alentejo: Artes visuais, teatro, dança, música, circo contemporâneo, conferências, conversas e workshops são algumas propostas do festival Arte Non Stop que durante 15 dias vai invadir o concelho de Mértola. O evento, que conta a curadora de Tiago Guedes, diretor artístico do Teatro Municipal do Porto, comemora também o 18.º aniversário da Casa das Artes Mário Elias através de várias iniciativas culturais para todos os públicos. Companhia Nacional de Bailado, Teatro Nacional D. Maria II / Tiago Rodrigues, Vera Mantero, Noiserv, Raquel Castro, Erva Daninha / Daniel Seabra, Claudia Gaiolas / Aldara Bizarro, Ana Isabel Castro & Deeogo Oliveira, Daniel Cardeira e Sofia Beça são as companhias e os artistas que rumam até ao Alentejo para apresentar os seus espetáculos, concertos e exposição. Consulte aqui a programação.

“By Heart”, de Tiago Rodrigues, é um dos espetáculos que vai poder ver em Mértola neste festival

Exposição “O Relato” no Museu do Futebol Clube do Porto

Estádio do Dragão, Porto. Sábado e domingo, das 10h às 18h. Tel.: 22 508 3352.  Entrada livre.

Para quem gosta de futebol: “O Relato” é a exposição que marca a reabertura do Espaço João Espregueira Mendes no Museu do Futebol Clube do Porto, com a curadoria de Miguel von Hafe Pérez. O trabalho é do professor de Belas Artes Fernando José Pereira que abordou o imaginário portista, explorando a memória analógica do Estádio das Antas e a realidade digital e futurista do Estádio do Dragão, através de elementos artísticos, como a fotografia, o desenho e o vídeo, e narrativas como o célebre golo de calcanhar de Madjer na conquista da Taça dos Campeões da UEFA, em 1987. Pode ver esta e outras pérolas até 9 de janeiro.

É numa das salas do Museu do Futebol Clube do Porto que vai poder ver esta exposição baseada num relato

“Nunca mais é sábado” é uma rubrica que reúne as melhores sugestões para aproveitar o fim de semana.