O célebre restaurante chinês Dinastia Tang, em Lisboa, vai fechar portas definitivamente no próximo dia 2 de fevereiro. Segundo o que o Observador conseguiu apurar, toda a correnteza de armazéns que fica entre os números 75 e 107 da Rua do Açúcar, em Marvila, viu recusada as tentativas de renovação de contratos de aluguer e isso significa que espaços célebres como a Fábrica Musa ou o restaurante “Aquele Lugar Que Não Existe” também se vão juntar à lista de negócios com futuro incerto.

O Observador soube que a empresa Urbisflama recusou renovar contratos de arrendamento com todos os negócios que moravam nestes armazéns. Alguns inquilinos aceitaram ficar mais um tempo mas outros estão a adotar uma postura mais firme, contestando a decisão. Ao que tudo indica, a empresa estará a propor contratos de comodato com alguns dos inquilinos para que os mesmos reconheçam formalmente que o seu contrato terminou e “recebam em troca” algum tempo extra antes de terem de sair. A empresa mantém uma posição firme e intransigente em relação a eventuais negociações. A propósito desta situação, a Urbisflama recusou prestar declarações. 

A Dinastia Tang morava neste endereço há seis anos, confirmou ao Observador um responsável pelo espaço. O primeiro contrato de aluguer era válido por cinco anos mas em julho de 2018, quando o estenderam por mais um ano, foram logo avisados que não haveria mais renovações — a partir de julho de 2019 teriam de sair. Desde então foi-se vivendo numa espécie de limbo que culminará com a saída definitiva. Quem se quiser despedir desta casa poderá fazê-lo entre os dias 25 de janeiro e 2 de fevereiro, com o bónus de que poderá levar para casa um bocado do restaurante. Ou seja, o Dinastia Tang irá vender o seu recheio a todos os que o visitarem durante esse período de tempo (só serão servidas refeições até dia 2 mas as vendas de material decorrem até dia 5 do mesmo mês), das cadeiras chinesas aos budas enormes, passando pelos pratos e equipamentos de cozinha. Entre março e abril, os donos esperam abrir um novo espaço, na zona do Saldanha, agora dedicado às especialidades japonesas.

A fábrica da cerveja Musa é um dos inquilinos mais populares desta área, ocupando o número 83 da Rua do Açúcar pelo menos desde 2017. Desde então tornaram-se um dos principais dinamizadores de toda esta zona, muito por culpa dos vários eventos, festas e concertos que tem vindo a organizar. Contactados pelo Observador limitaram-se a confirmar que o seu senhorio estava a tentar que desocupassem o espaço mas que estão em processo de negociação para estender a sua estadia “o máximo possível”. Garantem, porém, que vão ficar no mesmo local pelo menos “até ao fim do ano”.

O restaurante Beatus, que também morava nesta zona, encerrou no passado mês de abril, em 2019. De entre os outros inquilinos deste complexo de edifícios só a oficina “Dias Importantes” confirmou também ter visto recusada a vontade de estender o seu contrato de arrendamento. O Observador entrou em contacto com o outro espaço de restauração desta área, o “Aquele Lugar Que Não Existe”, que recusou tecer algum comentário sobre o assunto.