Começou por ser “apenas” uma ameaça de bomba, revelou-se algo mais do que isso – mesmo que tudo tenha sido tratado de forma discreta por parte das autoridades. A polícia de Roma, chamada a uma rua próxima do Estádio Olímpico, cortou vários quarteirões adjacentes ao local onde se encontrava uma viatura suspeita e desativou logo no local um engenho artesanal. Foi já aberto um inquérito para apurar suspeitos da situação.

De acordo com o Corriere dello Sport, o carro com o dispositivo encontrava-se no bairro de Prati, que se situa a poucos quilómetros do recinto onde se joga o Itália-Suíça, e numa zona por onde passavam muitos adeptos em direção ao Estádio Olímpico. A chamada para a esquadra, feita às 17h40 locais, identificou uma viatura com fios suspeitos a sair para fora, sendo que todas as estradas adjacentes foram de imediato cortadas ao público.

Não chegou a existir qualquer explosão, sendo que foi entretanto apurado que o engenho artesanal tinha sido colocado no carro de Marco Andrea Doria, presidente da Mesa para a Reurbanização de Parques e Vilas Históricas de Roma, um Smart. “Foi encontrada uma bomba no carro de Marco Doria, presidente da Mesa para a Reurbanização de Parques e Vilas Históricas de Roma. É um facto muito grave, expresso a minha total solidariedade”, escreveu no Twitter a presidente da cidade de Roma, Virginia Raggi.

Bomba perto do estádio de Roma. O Doria a quem puseram explosivo no carro e mataram o cão

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

De acrescentar que ainda não conhecidos pormenores sobre a investigação levada a cabo pelas autoridades, sabendo-se apenas entretanto que o engenho teria sido feito com pólvora, parafusos e fios elétricos. O jogo entre Itália e Suíça não sofreu qualquer atraso ou medida especial, com os transalpinos a vencerem por 3-0.