Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Audi concebeu uma família de três veículos topo de gama, com comprimentos próximos dos cinco metros, que denominou Sphere. A plataforma, os motores e as baterias são elementos em comum, mas a realidade é que os três modelos serão separados à nascença, uma vez que um será uma berlina espaçosa e elegante, a Grand Sphere, enquanto outro assumirá as formas de um coupé esguio com o habitáculo chegado atrás e uma frente generosa, denominado Sky Sphere. E o trio fica completo com o Urban Sphere, uma proposta tipo monovolume, mas que também pode atrair os clientes dos SUV.

3 fotos

Em Munique, no certame automóvel que vai ter lugar em Setembro, o construtor alemão vai apresentar o Grand Sphere, o que pode ser visto como o futuro A7 Sportback, mas 100% eléctrico. Ainda um protótipo, o Grand Sphere parece imponente, em termos de dimensões, continuando a assumir-se como uma berlina com linhas mais fluidas e dinâmicas.

Recorrendo a uma plataforma específica para modelos eléctricos, que a Audi não revela mas que será certamente a Premium Platform Electric (PPE), destinada aos topos de gama a bateria das marcas do Grupo VW, o Grand Sphere exibe uma generosa distância entre eixos, o que permite encaixar um pack de baterias com a capacidade necessária para uma autonomia acima da média.

O protótipo agora apresentado é apenas um teaser, para abrir o apetite para o que vamos ver em Setembro, com um banco atrás e dois à frente, que parecem ser capazes de reclinar até se transformarem em cama. E como nos desenhos nem sequer surge volante, ficamos com a ideia que a Audi não só já está a apontar para um futuro eléctrico, como igualmente autónomo e livre de seres humanos ao volante, o que pode parecer algo exagerado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR