Primeiro foi a agência norte-americana do medicamento (FDA) a lançar o alerta para os casos da síndrome Guillain-Barré (GBS) depois da toma da vacina da Janssen. Depois, esta terça-feira, foi a vez da Agência Europeia do Medicamento (EMA) informar que já solicitou mais informação à farmacêutica Johnson & Johnson.

Tanto nos Estados Unidos como na Europa foram registados cerca de 100 casos após a toma desta vacina — em 12,8 milhões e 18,6 milhões de doses distribuídas, respetivamente. Mas a vacina da Janssen não é caso único: no dia 9 de julho, a EMA já tinha recomendado que este efeito secundário fosse incluído na descrição da vacina da Astrazeneca.

No passado, o aumento (muito reduzido) do número de casos da síndrome tinha sido associado a outras vacinas, como a vacina da gripe suína, em 1976, que aumentou um caso por cada 100 mil pessoas vacinadas e a vacina da gripe sazonal que pode estar associada a dois casos extra de GBS por cada milhão de vacinas dadas, refere o jornal The New York Times.

Acho que os dados são bastante convincentes de que a vacina contra a gripe causa a síndrome de Guillain-Barré, mas o risco é muito pequeno”, disse Daniel Salmon, diretor do Instituto de Segurança de Vacinas da Universidade Johns Hopkins, citado pelo New York Times.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.