As pessoas totalmente vacinadas que são infetadas com o SARS-CoV-2 libertam menos vírus (ou menos vírus capazes de provocar infeção), quando tossem, espirram ou falam, do que as pessoas não vacinadas, concluiu uma equipa do Centro Médico Erasmus e do Centro para as Doença Infecciosas Radboud, ambos na Holanda.

Os investigadores destacam, no entanto, que dos casos estudados quase 70% provocou infeção em células de cultura (no laboratório), logo o potencial de transmissão do vírus pela pessoas vacinadas “não deve ser negligenciado”, escrevem no artigo em pré-publicação na plataforma medRxiv, que ainda não foi revisto por cientistas independentes.

O que a variante Delta veio mudar. Os riscos, a eficácia da vacinação e como as medidas tradicionais a podem travar

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.