Obrigado por ser nosso assinante. Usufrua de leitura ilimitada deste e de todos os artigos do Observador.

A Harley-Davidson, o construtor mais clássico e tradicionalista de motos, com enormes motores de dois cilindros e um quadro muito baixo e estilo chopper, tem dado lições à concorrência na electrificação. A sua Livewire apontou o caminho do que pode ser uma moto eléctrica competitiva, com o construtor a apostar agora nas bicicletas eléctricas, num modelo que homenageia uma das primeiras motos fabricadas pela marca norte-americana.

3 fotos

Há 117 anos, quando foi fundada, a Harley surgiu com um dos seus primeiros veículos de duas rodas a motor, a Serial Number One. Agora, em 2021, o construtor celebra esse mesmo modelo, sempre com um veículo de duas rodas com motor, mas ajudado por pedais. A nova bicicleta eléctrica adopta a denominação Serial 1 S1 Mosh-Tribute.

As semelhanças entre os dois veículos de duas rodas separados por mais de um século são evidentes, a começar pelos generosos pneus em borracha branca montados em aros negros, a mesma cor utilizada para decorar o quadro. A aposta na nova e-bike é grande, a ponto de a Harley a tratar como uma nova área de negócios – tendo criado a Serial 1 Cycle Company –, com as bicicletas eléctricas a começarem a ser entregues a clientes no último trimestre do ano.

3 fotos

O mercado das e-bikes não pára de crescer, representando já nos EUA cerca de 15 mil milhões de dólares, com um ritmo de crescimento em 2020, face ao ano anterior, de 190%. Na Europa, face à tendência para limitar as emissões em meio urbano, é provável que as bicicletas eléctricas tenham um potencial de crescimento ainda superior, face aos incentivos que muitos governos propõem, inclusivamente o português.

A nova e-bike verá serem fabricadas apenas 650 unidades, que depois serão repartidas pelos mercados norte-americano e europeu. Posteriormente, surgirão novos modelos e versões, mas as informações sobre a estratégia da Harley ainda são reduzidas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR