Obrigado por ser nosso assinante. Pode ler este e todos os artigos do Observador em qualquer dispositivo.

A foto registada por Alfonso Escalero, da Associated Press, e partilhada pela página do Facebook I Love the World, na última terça-feira, dia 21 de setembro, mostra uma casa rodeada por lava solidificada, na ilha de La Palma, nas Canárias, em Espanha. Os proprietários da casa, um casal octogenário dinamarquês, descobriu que a sua casa não foi afetada, por pouco, pela lava da erupção, através de um telefonema da mulher que a ajudou a nascer, 30 anos antes.

Salvada o aislada! Todo es así en La Palma. Hoy no tengo el valor de hacer fotos con la luz del día, saldremos por la noche como los burros, con los ojos tapados! Sorry!

Posted by I Love The World. on Tuesday, September 21, 2021

Ada Monnikendam, conta o El Mundo, estava a ver redes sociais quando foi surpreendida pela foto que se está a tornar num ícone da tragédia de La Palma. Era a casa que a sua empresa de construção de chalés erguera para Inge y Rainer Cocq, casal reformado da Dinamarca, em El Paraiso, a zona mais atingida pela lava do Cumbre Vieja. “Eu conheço essa casa! Fomos nós que a construímos, eu e o meu marido!” Imediatamente lhes ligou, relata ao jornal espanhol: “Começámos todos a chorar como loucos, quando lhes contei que a sua casa estava intacta”.

Ada, que é holandesa — e que estabeleceu a sua empresa de construção de vivendas em 1976 na ilha, juntamente com o marido e o cunhado — conheceu o casal quando Inge e Rainer chegaram há três décadas a La Palma à procura de sol, natureza e tranquilidade e se apaixonaram pela paisagem vulcânica da ilha.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Eles vinham várias vezes por ano, até começar a pandemia. Aqui, enchiam-se de energia, e voltavam à Dinamarca. Ela cuidava das suas plantas, ele construía muros com pedras. Têm grandes amigos em El Paraíso que perderam tudo o que tinham. Estão destroçados e frustrados por estarem tão longe. Não querem falar com ninguém, porque não param de chorar.”

“La casita”, como a família se refere à casa, é muito importante para Inge e Rainer: “Os meus pais investiram muito nesta casinha, adquiriram o terreno há cerca de 30 anos para construírem o seu bocadinho de céu”, conta a filha do casal. Yenny diz, ainda, que vai voltar, com o seu pai, à casa “milagre” para “avaliar a situação”, em declarações à ABC. Os dois sempre gostaram de vulcões desde jovens e chegaram a equacionar viver os seus tempos de reforma no Havai, também numa região vulcânica, mas acabaram por optar pelas Canárias: era mais perto da sua terra natal, revelou Ada ao El Mundo.

A casa que colapsa em segundos

A casa, que escapou ao avançar do fluxo de lava, e se tornou viral na internet, contrasta com o cenário de destruição geral na ilha de La Palma e com um outro vídeo em que se vê uma casa a ruir em segundos, em Todoque.

A erupção do vulcão Cumbre Vieja, no passado domingo, provocou a destruição de cerca de 420 casas, de acordo com o Programa de Observação da Terra da União Europeia, Copérnico, e consequente realojamento de mais de 6.000 pessoas, sendo que a lava já ocupou mais de 190 hectares de terra.

A fotografia da casa dos octogenários dinamarqueses que escapou ilesa à destruição do Cumbre Vieja tornou-se popular nas redes sociais, por ser um dos poucos exemplos, no contexto da erupção vulcânica, em que a natureza “respeitou” a construção humana. O rasto de destruição que a lava lançou em mais de quatro centenas de casas é bem visível neste outro vídeo da Global News.

E este cenário desolador pode estender-se ainda mais, já que fluxo de lava pode durar semanas, ou até meses, segundo cientistas, diz a Euronews.