Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

As autoridades bielorrussas deram ordem de expulsão ao embaixador francês no país. Nicolas de Bouillane de Lacoste, de 57 anos, abandonou Minsk este domingo, um dia antes do prazo dado pelo governo do autocrata Alexander Lukashenko, de acordo com a AFP, que avançou com a notícia.

Os motivos que levaram à expulsão de Nicolas de Bouillane de Lacoste, que tinha assumido funções enquanto embaixador francês na Bielorrússia em 2020, não foram totalmente claros. De acordo com os media bielorrussos, em causa estará o facto de o embaixador não ter entregue cópias das sua credenciais ao Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko.

As autoridades francesas, no entanto, segundo o Le Monde, dizem que Nicolas de Bouillane de Lacoste entregou as cópias das credenciais requeridas ao ministro dos Negócios Estrangeiros bielorrusso, Vladimir Makei, no dia 8 de dezembro de 2020.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Hoje [domingo], mais um diplomata da União Europeia, o embaixador francês Nicolas de Lacoste, foi forçado pelo regime a deixar Minsk. O embaixador não apresentou credenciais a Lukashenko e foi expressivo sobre violação de direitos humanos. Obrigado, caro embaixador, pela sua solidariedade e posição de príncpio”, escreveu no Twitter Franak Viacorka, conselheiro de Svetlana Tikhanovskaia, líder da oposição bielorrussa, exilada na Lituânia.

A polémica entre Minsk e Paris veio acentuar ainda mais as diferenças entre a Bielorrússia e a União Europeia, cujas relações têm sido de grande hostilidade desde as presidenciais bielorrussas em agosto do ano passado, quando Lukashenko declarou-se vencedor com mais de 80% dos votos, numas eleições cujos resultados foram considerados fraudulentos pelo Ocidente, que por isso não reconheceu o resultado.

Svetlana Tikhanovskaia: “Portugal pode ser decisivo nas sanções à Bielorrússia”

As eleições de 2020 geraram um movimento de contestação sem precedentes ao regime que dura há 27 anos, com as autoridades bielorrussas a reprimirem com violência os protestos, o que levou a União Europeia a impor uma série de sanções a figuras do regime.

Bielorrússia. Como Lukashenko ficou isolado: entre o despertar da oposição, a condenação internacional e até a desconfiança de Putin

A expulsão do embaixador francês surge sete meses depois de Lukashenko ter expulsado todos os funcionários da embaixada de Letónia da Bielorrússia. Na origem da decisão esteve o facto de a Letónia ter usado uma bandeira da oposição bielorrussa (vermelha e branca) durante um jogo de hóquei no gelo — desporto que Lukashenko também pratica. Além disso, em agosto, as autoridades bielorrussas revogaram a nomeação da embaixadora norte-americana Julie Fisher, sendo que desde 2008 que os Estados Unidos não têm representação na Bielorrússia.

Em Agosto, Minsk revogou a nomeação da embaixadora dos EUA – a diplomata Julie Fisher – que viria a ser a primeira enviada dos EUA para o país ex-soviético desde 2008.