Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Jack Ma, fundador e ex-presidente do Alibaba, voltou a aparecer depois de quase um ano sem quaisquer aparições públicas. A única exceção foi uma declaração online durante uma entrega de prémios em seu nome, que se realizou em janeiro, daí em diante nem um sinal do magnata chinês que agora se encontra na Europa, mais precisamente em Espanha, a bordo do seu iate “Zen” avaliado em mais de vale 170 milhões de euros.

De acordo com o jornal The Standard, o empresário natural da China esteve em Hong Kong a reunir com parceiros de negócios desde o início do mês e no passado sábado voou até Espanha com um grupo de empresários, tendo subido a bordo do seu iate em Ibiza. A viagem não terá ficado por aqui, já que o seu barco também terá sido visto em Mallorca, segundo um jornal local.

O desaparecimento do fundador do Alibaba tomou proporções maiores pelo facto de, antes do sucedido, ter entrado em rota de colisão com o governo do regime de Xi Jinping. Jack Ma queixou-se do sistema bancário dominado pelo Estado e disse que não faz sentido “usar a forma de gerir uma estação de comboios para gerir um aeroporto“, uma comparação com a qual pretendeu sublinhar que “não podemos regular o futuro com os meios de ontem”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Depois de criticar regime chinês, Jack Ma, fundador da Alibaba, não é visto há mais de dois meses

Contudo, o discurso foi visto como crítico do governo chinês e as repercussões multiplicaram-se, com as autoridades de regulação financeira da China a impedirem uma significativa operação em bolsa do grupo Ant, uma das empresas que fazem parte do império. A intervenção governamental fez cair as ações da Alibaba em 8% e levou Jack Ma a perder três mil milhões de dólares da sua fortuna.

O governo chinês levou ainda a cabo um conjunto de investigações relativamente a questões concorrenciais e a obrigação de repartição do grupo, com multas ao grupo chinês, bem como uma operação de ataque ao empresário na opinião pública, com uma retórica desfavorável a Jack Ma a ganhar espaço nas redes sociais chinesas.

Agora, depois de reaparecer em Espanha as ações do Alibaba subiram mais de 6%, o que também pode ter ligação com o facto de Ma estar fora da China, no estrangeiro, o que se pode traduzir na inexistência de uma investigação, já que é comum naquele país retirar-se o passaporte aos cidadãos que estão a ser investigados.