Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A diocese de Viseu está a preparar a constituição de um tribunal eclesiástico para julgar o caso de um padre que terá enviado mensagens de caráter sexual a um menor de 13 anos.

Segundo o jornal Público, o bispo D. António Luciano já remeteu o processo à Congregação para a Doutrina da Fé para que esta decida se há ou não matéria para um julgamento canónico. O objetivo é que o processo decorra quase em simultâneo com a investigação do Ministério Público (MP), “por forma a evitar sentenças desconformes, em que um absolve e outro condena”, disse ao mesmo jornal uma fonte da diocese.

Em causa está o caso do padre Luís Miguel da Costa, que em abril deste ano se tornou suspeito de ter enviado mensagens de teor sexual a um menor de 13 anos. Para além de terem feito queixa, os pais do menor terão de imediato certificado as mensagens junto de uma notária, para que estas não se perdessem.

Para além das mensagens, o MP está ainda a investigar acusações de que o padre terá tentado beijar o menor numa ida à casa de banho e que teria imagens relacionadas com pornografia infantil no seu computador pessoal. A Polícia Judiciária já considerou haver “indícios contra o padre”.

Luís Miguel da Costa nega todas as acusações e chegou mesmo a admitir apresentar queixa contra “quem mente e calunia”.

Padre de Viseu suspeito de enviar mensagens de teor sexual a menor de idade diz que é inocente