Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Grande Prémio de Fórmula 1 dos Estados Unidos disputado no passado fim-de-semana, que viu Verstappen bater mais uma vez Hamilton, atraiu toda a gente que é “alguém” no país, sobretudo estrelas de Hollywood, desportistas, cantores e celebridades. Mas apesar da rapidez do Red Bull do piloto holandês e do Mercedes do ás britânico, houve momentos em que foi um velho Cadillac Eldorado que quase eclipsou as grandes bombas.

O Eldorado foi um dos descapotáveis mais icónicos que a indústria automóvel norte-americana produziu e que sobreviveu na liderança durante 12 gerações, entre 1952 e 2002. O modelo em causa era um Cadillac célebre, utilizado por Tony Montana (representado por Al Pacino) no filme Scarface de 1963, o que o torna desde logo bastante apetecido.

Mas sentado lá atrás, num assento com as dimensões necessárias para alojar de forma confortável um homem com 2,16 metros de altura e 147 kg, seguia Shaquille O’Neal, o popular Shaq, que se assumiu como um dos melhores jogadores americanos de basquetebol entre 1992 e 2011. Shaq trouxe consigo, no Eldorado, a taça para o vencedor do GP de F1 de Austin.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Shaq chegou ao circuito ocupando toda a traseira do Eldorado, profundamente modificado, mas não necessariamente para melhor, com um imenso par de chifres a ornamentar o capot do motor. E sempre que se movimentava no seu Cadillac, nem Hamilton nem Verstappen conseguiam rivalizar com o estrelato do antigo basquetebolista, hoje com 49 anos.