Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No decorrer da última Assembleia Geral da SAD, João Sampaio, vice do clube e administrador da sociedade, revelou pela primeira vez aquilo que parecia ser um sinal de algo para o futuro no que toca à relação entre os responsáveis leoninos e as duas claques com quem foram quebrados os protocolos, Juventude Leonina e Directivo Ultras XXI. Segundo apurou o Observador, o dirigente referiu nessa reunião, realizada no Auditório Artur Agostinho, que tinham existido posição extremadas no passado mas que o clima de “guerra” já não existia, adiantando até que tinham existido conversas com ajudas de terceiros para que o ambiente ficasse o mais normal possível. No entanto, menos de duas semanas depois, a realidade parece distinta.

Sporting rescinde protocolos com Juve Leo e Directivo XXI. “É altura de dizer basta” a “comportamentos violentos”

Através de um comunicado colocado nas páginas oficiais nas redes sociais, a Juventude Leonina, que voltou no passado sábado ao setor A14 onde esteve sempre em Alvalade antes da pandemia e da criação da zona restrita ao Cartão de Adepto, queixou-se de uma alegada “repressão na própria casa”, traçando depois uma comparação entre aquilo que aconteceu naquela zona do Estádio com as restantes bancadas do recinto.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“O Sporting estreou-se na edição deste ano da Allianz Cup com uma vitória sobre o Famalicão, dando assim um grande passo para marcar presença na Final Four. Na bancada o habitual, mesmo a um dia de semana às 21h15h, não faltámos à chamada e apoiámos a equipa do primeiro ao último minuto. Lamentavelmente temos de referir que fomos mais uma vez alvo de repressão, onde nos obrigaram a retirar panos com os símbolos do clube, mesmo na nossa própria casa, curiosamente vimos em outros sectores do estádio, nomeadamente na bancada norte, panos idênticos que não foram alvo de qualquer repressão”, referiu.

Sporting acabou protocolo com claques mas isso foi tudo menos o fim de guerra: as últimas 120 horas em Alvalade

“Temos também de falar de pelo segundo jogo consecutivo haver uma total desorganização na porta 7, com torniquetes avariados, ficando apenas dois torniquetes em funcionamento para milhares de pessoas provocando uma enorme confusão e aglomeração, com crianças e pessoas de idade metidas no meio da confusão e obrigando à abertura dos torniquetes, pois aos 20 minutos de primeira parte ainda havia pessoas para entrar. Ora as pessoas pagaram a sua Gamebox têm direito a assistir ao jogo na íntegra. Será assim tão difícil resolver o problema?”, acrescentou ainda o mesmo comunicado, que foi emitido com um vídeo onde era visível a presença de spotters naquela bancada e os tais símbolos leoninos em causa.

Juve Leo invade central do Pavilhão em jogo de futsal, Varandas sai escoltado do recinto

De recordar que, após alguns capítulos de contestação que tiveram como “gota de água” a invasão da central do Pavilhão João Rocha pela claque para pedir a demissão de Frederico Varandas (que nesse dia teve de sair sob escolta policial), a Direção verde e branca decidiu terminar com o protocolo que havia com as duas maiores claques verde e brancas em outubro de 2019. Seguiram-se comunicados, mais contestação e as três tentativas sem efeito por parte do clube de retirar Juventude Leonina e Directivo Ultras XXI dos espaços que ocupam em Alvalade, sendo que, nesta fase, tudo parecia bem mais sereno entre ambas as partes.

Juve Leo acusa Direção do Sporting de despotismo e diz que atual protocolo dava ainda mais regalias