Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Neymar recusa-se a acreditar que Marília Mendonça, também conhecida como a “rainha da sofrência”, morreu aos 26 anos após a queda da aeronave onde seguia. Na rede social Twitter, o jogador de futebol faz uma confissão: foi dormir na esperança de que tudo fosse um sonho e que acordasse este sábado de manhã do pesadelo. Dez minutos antes era Caetano Veloso quem usava a mesma plataforma para mostrar incredulidade e tristeza.

Cantora brasileira Marília Mendonça morre em queda de avioneta

A morte da cantora apanhou o país com mais de 200 milhões de habitantes desprevenido e viajou além fronteiras, ganhando destaque na imprensa internacional: no The New York Times, por exemplo, a cantora é descrita como uma “sensação das redes sociais com milhões de seguidores”, além de ser um ícone do sertanejo. Culpa das “baladas emocionantes e cheias de angústia”, mas também das letras das canções que, de certa forma, pediam às mulheres para rejeitarem relações abusivas.

O empoderamento das mulheres também não passa ao lado do artigo publicado no USA Today, que se refere a Marília como uma “estrela em ascensão”capaz de roubar elogios e homenagens a artistas, políticos e ainda jogadores de futebol.

A cantora faz também manchetes na imprensa britânica (BBC e Daily Mail), alemã (Bild) e na argentina (o La Nacion escreve que Marília estava a transformar-se numa das cantoras mais influentes do Brasil dadas as “canções cativantes”, o “carisma inegável” e as “letras que retratam a luta das mulheres”). Também os jornais espanhóis dão destaque à cantora.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Cerca de 100 mil pessoas esperadas no velório

O velório de Marília Mendonça e do seu tio, que seguia com ela no avião, decorre na tarde deste sábado num ginástio em Goiânia. Inicialmente reservada à família, a cerimónia foi aberta ao público às 13h locais (16h em Lisboa). As autoridades estimam que cerca de 100 mil pessoas devem passar na Goiânia Arena para prestar homenagem à cantora ao longo do dia.

O momento mais emotivo da cerimónia privada foi quando a mãe e a avó da cantora se aproximaram do caixão, altura em que se fez silêncio na Arena, segundo o UOL. Outros momentos da cerimónia têm sido marcados pela música, com a leitura de um salmo por um pastor ao som de uma guitarra. Também na rua as centenas de fãs presentes têm estado a cantar algumas das canções mais conhecidas da artista, de acordo com o Correio Braziliense.

Depois da cerimónia, o caixão seguirá em cortejo acompanhado pela multidão até ao Cemitério Parque Memorial, como confirmou a Secretaria Municipal de Mobilidade de Goiânia, citada pela CNN Brasil. “Os goianos vão poder prestar linda homenagem. Peço calma e respeito à sinalização para que todos possam dar o seu adeus. Previsão inicial de até 100 mil pessoas passando pelo local”, disse o governador de Goiás, Ronaldo Caiado.

O funeral está previsto para as 17h30 (20h30 em Lisboa) e deverá ser reservado apenas à família.

Uma estrela do sertanejo e das redes sociais

Marília — que em 2019 ganhou o Grammy Latino pelo melhor álbum de sertanejo com “Em todos os cantos” — foi compositora antes de cantora. O primeiro contacto com a música foi na igreja. Tinha apenas 12 anos quando assinou as primeiras letras, incluindo o tema “Minha Herança”, sucesso musical de João Neto e Frederico.

O “vozeirão grave”, como refere o G1, levou-a aos palcos em 2014 e, dois anos mais tarde, a balada “Infiel” explodia em todo o Brasil — atualmente, conta com mais de 500 milhões de visualizações no Youtube. A música tornou-se numa das mais tocadas no país em 2016 e valeu-lhe a alcunha “rainha da sofrência”.

Os temas que carregavam histórias fizeram dela uma das maiores vozes do sertanejo feminino. Em entrevista, Marília chegou a explicar o processo de composição, fazendo referência às letras que não podiam ser muito grandes: “O pessoal do sertanejo gosta de ouvir a música e dançar”.

Aos 20 anos, Marília — nascida em Cristianópolis, Goiás — era um sucesso no país que a viu nascer e acumulava um legião de fãs fiéis: só no Instagram somava mais 40 milhões de seguidores. Em 2019, a cantora lançou o quarto álbum e deu concertos grátis um por todo o país. Nesse mesmo ano foi mãe do pequeno Leo, com um ano e nove meses.

Já durante a pandemia, depois de recuperar da Covid-19, fez diretos através do Instagram e deu concertos em direto, a partir de casa, para os fãs. Mais recente era a turné o “Festival das patroas”, programado para 2022, um projeto musical com a dupla sertaneja Maiara e Maraísa que chegou, inclusive, a surgir em grande destaque na Times Square, em Nova Iorque. O último concerto que deu foi no interior de São Paulo para 15 mil pessoas.

Marília Mendonça tinha três concertos marcados para Portugal no final de novembro — dois no Porto e um em Lisboa. Um deles, que se realizaria no Pavilhão Rosa Mota a 28 de novembro, já estava esgotado.