814kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Fundadores da Rauva são os vencedores do prémio de empreendedorismo João Vasconcelos

Este artigo tem mais de 6 meses

Fundadores da Rauva, que tem uma "super app" para tornar a gestão de negócios acessível a qualquer pessoa, foram eleitos "empreendedores do ano" e receberam 10 mil euros.

Jon Fath
i

Jon Fath foi considero o "empreendedor do ano"

MIGUEL RIBEIRO FERNANDES

Jon Fath foi considero o "empreendedor do ano"

MIGUEL RIBEIRO FERNANDES

Jon Fath e Sam Mizrahi, fundadores da Rauva, são os vencedores da quinta edição do prémio João Vasconcelos — uma distinção anual criada pela Startup Lisboa em homenagem ao seu primeiro diretor executivo e ex-secretário da Indústria. Carlos Moedas, presidente da Câmara de Lisboa, destacou que é a “primeira vez que [cidadãos] estrangeiros ganham este prémio”.

O prémio, que voltou a contar com a parceria da Google for Startups e da CCA Law Firms, quer “celebrar o empreendedorismo e dar voz aos empreendedores e ao trabalho que desenvolveram ao longo do último ano”. A Rauva, fintech que leva para casa 10 mil euros, chegou a Portugal há um ano e tem uma “super app” para tornar o empreendedorismo e a gestão de negócios acessível a qualquer pessoa. É das uma empresas que está no programa de aceleração da Fábrica dos Unicórnios de Lisboa

Há mais oito scaleups no programa de aceleração da Fábrica dos Unicórnios de Lisboa

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O CEO Jon Fath, que recebeu o prémio em nome dos fundadores, disse estar “muito contente” pela sua equipa, apesar de “nervoso”. O empresário francês recordou, durante o discurso de aceitação da distinção de “empreendedor do ano”, que está em Portugal apenas há 14 meses: “Não conhecia Portugal, a minha família nunca cá tinha vindo, mudámo-nos para cá… foi uma aposta”.

As pessoas achavam que era louco quando vim para cá”, afirmou Jon Fath, acrescentando que “ninguém confiava” nele, exceto a Startup Lisboa, a Fábrica dos Unicórnios e a sua equipa.

Carlos Moedas, presidente da Câmara de Lisboa, Sofia Marta, country manager da Google Cloud em Portugal, e Domingos Cruz, managing partner da CCA Law Firm, foram os responsáveis por entregar o prémio, numa edição em que estavam também presentes outros cinco finalistas: Guilherme Coelho (Maven Pet Inc), João Aroso (Leadzai), Mauro Frota (BHOUT), Miguel Alves Ribeiro (sheerME) e Verónica Orvalho (Didimo).

O anúncio do vencedor do prémio João Vasconcelos foi feito esta quinta-feira num evento no Hub Creativo do Beato. O júri que distinguiu os fundadores da Rauva e que assistiu ao pitch das empresas era construído por Gil Azevedo (Startup Lisboa), Margarida Figueiredo (Câmara Municipal de Lisboa), Nuno Pimenta (Google), Filipe Mayer (CCA Law Firm), Inês Sequeira (Casa do Impacto), Miguel Santo Amaro (CEO da Coverflex, que venceu o prémio João Vasconcelos no ano passado) e Luís Guerreiro (Presidente do IAPMEI).

Fundadores da Coverflex vencem o prémio João Vasconcelos e são eleitos “empreendedores do ano”

Durante o evento de entrega do prémio João Vasconcelos foi ainda distinguido o “Melhor Pitch” de entre os finalistas. Para um júri composto por um grupo de jornalistas (do qual o Observador fez parte), Mauro Frota — CEO da startup BHOUT, que produz um saco de boxe com Inteligência Artificial — fez a melhor apresentação e recebeu um prémio no valor de 2.500 euros, que deve doar a uma organização de caridade à sua escolha.

Mauro Frota, BHOUT

Para os jornalistas, Mauro Frota, CEO da startup BHOUT, fez o melhor pitch

MIGUEL RIBEIRO FERNANDES

Este ano foram criadas novas distinções, como o prémio ecossistema (para quem contribuiu para o desenvolvimento do ecossistema empreendedor português), que foi ganho por Marcelo Lebre, cofundador da Remote; e o prémio de melhor startup de impacto (para a empresa mais inovadora de impacto social ou ambiental), que foi vencido pela Actif, plataforma que se dedica a atividades físicas, cognitivas e sociais inclusivas.

Remote. Unicórnio com ADN português recebe investimento de 270 milhões de euros

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos