814kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

VW junta-se aos chineses da Xpeng para criar plataforma mais barata (e melhor) para eléctricos

A VW está cada vez mais próxima das marcas chinesas para conseguir melhorar os veículos e reduzir custos. Anunciou agora o desenvolvimento de uma plataforma para modelos eléctricos com a Xpeng.

Para fazer melhor e mais barato, no que aos veículos eléctricos diz respeito, a Volkswagen conta com a "ajuda" da Xpeng
i

Para fazer melhor e mais barato, no que aos veículos eléctricos diz respeito, a Volkswagen conta com a "ajuda" da Xpeng

Para fazer melhor e mais barato, no que aos veículos eléctricos diz respeito, a Volkswagen conta com a "ajuda" da Xpeng

A Volkswagen, o maior fabricante europeu e a marca líder de um dos maiores grupos globais da indústria automóvel, parece ter apostado nos construtores chineses para acelerar o desenvolvimento dos seus veículos eléctricos. Numa primeira fase, o objectivo está centrado em ganhar competitividade na China, mercado em que o construtor alemão tinha uma palavra a dizer nos tempos dos veículos com motor de combustão, mas onde hoje está arredado da liderança e longe dos lucros que era suposto garantir a operação no país asiático. Sendo óbvio que todas as melhorias aplicadas nos veículos destinados à China acabarão igualmente por beneficiar os modelos para os restantes mercados.

De acordo com a Reuters, o gigante alemão anunciou a colaboração com os chineses da Xpeng para o desenvolvimento de uma nova plataforma para veículos a bateria, denominada China Electrical Architecture (CEA). Neste projecto participam directamente a VW Tecnology Company e a Cariad China, a polémica divisão da VW destinada a conceber o necessário software e cujo desempenho menos bom já motivou o afastamento do anterior CEO do grupo alemão. Segundo a marca germânica, a CEA visa garantir uma redução de custos de 40% quando comparada com a actual MEB, a plataforma utilizada pela gama ID, o que permitirá recuperar a competitividade perdida e enfrentar os mais baratos veículos chineses.

Este é o plano da VW para não ficar para trás na China

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para a diminuição dos custos da plataforma contribuem fortemente as melhorias introduzidas a nível do software e, sobretudo, do hardware, uma vez que há uma redução de 30% no número de unidades de controlo electrónico (ECU ou, para simplificar, uma espécie de “computadores”). Isto não só corta na despesa, como vai facilitar as actualizações over-the-air, uma vez que passa a existir um computador central, complementado por alguns subsistemas. Esta é uma solução que a Tesla possui desde o início e que os chineses adoptaram posteriormente, com a CEA a permitir que a VW passe a dispor do mesmo tipo de argumentos.

Curiosamente, a plataforma CEA que a VW está a desenvolver com a Xpeng — onde os alemães possuem 4,99% — deverá chegar ao mercado em 2026 em modelos da gama média, como os ID.3, ID.4, ID.5 e ID.7, mas não vai ser a única da marca alemã a ser desenvolvida com os construtores chineses. Em colaboração com as chinesas SAIC e a FAW, a VW está a desenvolver a CMP (de China Main Platform), exclusivamente destinada a veículos pequenos e mais baratos, fundamentais para o mercado chinês. O CEO da VW China, Ralf Brandstätter, resume a estratégia de forma transparente, ao afirmar que “a concorrência é terrível, pelo que temos de adaptar a nossa estrutura de custos se queremos ser competitivos neste ambiente”.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos