Era um dia desafiante nas votações na especialidade das propostas para o Orçamento do Estado para 2023. Era o dia dedicado às medidas fiscais. E o debate de manhã, no Plenário, prometia. Não que se esperasse grandes alterações face ao que já se conhecia nas propostas do PS e na do Governo. Mas ainda assim houve espaço para algumas vitórias fiscais dos partidos da oposição, nomeadamente ao nível do IVA – que ficou reduzido nas bicicletas (Livre), e em alguns produtos alimentares (PAN), além do que se sabia já ser pretendido pelo PS (moluscos e produtos para aquecimento). Os custos fiscais das medidas aprovadas não foram divulgados.

Permitiu, no entanto, agregar pontos ao discurso do Governo de que maioria absoluta não é poder absoluto e que mostrou abertura para o diálogo. Este já resultou nos três dias de votação em 49 propostas da oposição que receberam o sinal verde do PS, o tubarão nesta discussão já que com maioria absoluta decide o que passa e o que não passa.

Tubarões e raias mergulham no Parlamento. O segundo dia de votações do Orçamento do Estado

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.