Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em linha reta, há quase 6000 quilómetros a separar Luanda de Lisboa. Mas para calcular a viagem feita pelo Duo Ouro Negro seria preciso arranjar um contador próprio, que incluísse o palmilhar de terreno dentro de Angola, de Malange a Maquela do Zombo, passando pelas Lundas, e seguindo depois África fora até alcançar a Europa, atravessando para o continente americano, com paragens no Brasil, Argentina e até Woodstock, com tempo ainda para visitar pontos mais distantes do planeta, como o Japão ou a Austrália.

De tudo isso, Raul Indipwo e Milo MacMahon fizeram música, numa carreira de mais de 30 anos que foi das mais internacionais da língua portuguesa a partir do momento em que surgiu o Duo Ouro Negro, a dupla que gravou os primeiros discos em 1959, há 60 anos. É uma carreira que foi world music antes de se falar de world music e que está ainda a aguardar pela devida justiça poética. Ou, pelo menos, à espera de ser vista além dos êxitos ocasionais, além da popularidade da época, além da ausência dos discos nas lojas.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.