Duo Ouro Negro: como Raul e Milo cantaram o mundo inteiro a partir de Angola /premium

20 Abril 20191.296

Raul Indipwo e Milo MacMahon vieram de Angola há 60 anos, cheios de música, e foram muito mais do que hits e moda. Agora há um concerto-tributo para que, talvez, lhes seja feita justiça.

Em linha reta, há quase 6000 quilómetros a separar Luanda de Lisboa. Mas para calcular a viagem feita pelo Duo Ouro Negro seria preciso arranjar um contador próprio, que incluísse o palmilhar de terreno dentro de Angola, de Malange a Maquela do Zombo, passando pelas Lundas, e seguindo depois África fora até alcançar a Europa, atravessando para o continente americano, com paragens no Brasil, Argentina e até Woodstock, com tempo ainda para visitar pontos mais distantes do planeta, como o Japão ou a Austrália.

De tudo isso, Raul Indipwo e Milo MacMahon fizeram música, numa carreira de mais de 30 anos que foi das mais internacionais da língua portuguesa a partir do momento em que surgiu o Duo Ouro Negro, a dupla que gravou os primeiros discos em 1959, há 60 anos. É uma carreira que foi world music antes de se falar de world music e que está ainda a aguardar pela devida justiça poética. Ou, pelo menos, à espera de ser vista além dos êxitos ocasionais, além da popularidade da época, além da ausência dos discos nas lojas.

Agora, no ano em que celebra uma data redonda, o Casino Estoril vai receber, este sábado, 20 de Abril, um concerto de tributo e celebração que depois se tornará itinerante, com músicas do Duo Ouro Negro a serem interpretadas por vários músicos, entre eles Bonga, Paulo Flores, José Cid, Dany Silva ou o grupo gospel Shout. E é uma nova oportunidade não só para recordar aquelas canções que de qualquer forma não se esquecem, como “Muxima”, “Maria Rita” ou “Vou Levar-te Comigo”, como para ir mais longe, quase tão longe como o pioneirismo, a experimentação etnográfica e a miscigenação cultural da música de Raul Indipwo e Milo MacMahon, e reconhecer a verdadeira dimensão deste legado em tons de brilho dourado e sombra.

Da obra-prima “Blackground” ao saudosismo kitsch de “Vou Levar-te Comigo”

Os rios servem para muitas metáforas, mas nem todas serão tão justas como a do rio que nasce no início de “Blackground”, música referência do disco homónimo, e que percorre o mundo, em afluentes de afluentes que tanto podem ser o Amazonas como o Río de la Plata, o Cuanza ou o Limpopo, que navegam ao ritmo do txianda, do semba, da marrabenta e até do jazz, em batidas de n’djimba ou kissanji. É como se diz no início da música, frase-chave para entender o Duo Ouro Negro:

“Nunca esqueças o teu background, nunca esqueças o teu blackground”

[“Blackground”:]

Raul Indipwo (Raúl José Aires Corte Peres Cruz) nasceu no Kuneme, Angola, em 1933, filho de mãe branca e pai negro, que trabalhava nos serviços de saúde do exército, o que o levou a conhecer o país todo, desde as ruas de Luanda às tradições rurais. Milo MacMahon nasceu no Lubango, em 1940, filho de pai luso-angolano que lhe passou o apelido que a bisavó escrava tinha adotado do seu senhor. Conheciam-se desde sempre, do liceu em Benguela, e acabaram por se reencontrar para fazer música.

Subiram pela primeira vez juntos ao palco do Teatro Restauração, em Luanda, em 1957, e nunca mais deixaram de combinar o seu conhecimento da tradição musical do país onde nasceram, o amor pela etnografia, a história, tudo conjugado em músicas como “Kurikutela” ou “Talo on N’Bundo” (que chegou a ser analisada pela censura), nem mesmo quando seguiram para o que na altura era a “Metrópole”, Lisboa, onde nos anos 60 construíram uma popularidade que se começou a espalhar pela Europa. Ou até mesmo quando, durante um período, chegaram a ser um trio, com o contributo de José Alves Monteiro, ao estilo do famoso treinador do “vocês três, façam um quadrado”.

Não por acaso, no verão de 1965 o kwela foi o nosso twist, o ritmo que toda a gente queria dançar, traduzido pelo Duo Ouro Negro a partir de batidas sul-africanas e tocado em palcos de Portugal, mas também da Suíça, França, Finlândia, Dinamarca. E também não por acaso, só nos anos 60 participaram duas vezes no Festival da Canção, e por duas vezes conseguiram o segundo lugar, e criaram até uma opereta, exibida na RTP, “Rua d’Iliza”. Afinal, Ouro Negro, no sul de Angola era isso mesmo – qualquer riqueza excecional nascida naquele solo, fosse café, petróleo ou dois músicos feitos rio, o tal da metáfora.

[“Rua D’Iliza”:]

É verdade que a combinação veio a desaguar naquelas músicas que agora toda a gente conhece, mais tardias, o famoso e afunilado para cultura kitsch “Vou Levar-te Comigo” ou o muito cantável “Maria Rita”, mas há muito mais do que isso. E ainda que pouco reste nas discotecas, e muito esteja por reeditar (Blackground, a obra mais aclamada pela crítica, teve uma edição especial de colecionador em 2018, feita pela Armoniz), o Duo Ouro Negro foi um dos fenómenos mais internacionais da música cantada em português (e muitos outros dialetos, como não podia deixar de ser).

Todos os palcos do mundo

“Toda a gente leva pressa
para chegar à sua terra”

Assim dizia o Duo Ouro Negro em “Kurikutela”, que é na verdade um comboio, como se percebe pelo som dos instrumentos. E se agora a sua música volta a seguir viagem para o palco do Casino Estoril, que foi um dos primeiros palcos onde se apresentou em Portugal (depois do Cinema Roma, que os trouxe de Angola pela primeira vez), antes de o grupo terminar, em meados dos anos 80, com a morte de Milo MacMahon, andou mesmo pelo mundo todo.

[“Kurikutela”:]

Em 1966 e 1967, o Duo Ouro Negro apresentou-se em Paris, na histórica sala do Olympia, para vários concertos esgotados. E esse foi apenas um dos palcos europeus a recebê-los. Ainda em 1966, o Duo Ouro Negro foi convidado a atuar na celebração oficial do IV Centenário do Principado do Mónaco. E ainda nos anos 60, Raul e Milo apresentaram-se várias vezes no Brasil, novamente numa sala histórica, o Canecão, que encheu para dançar ao ritmo do kwela.

Este alcance internacional, sendo já assinalável, resulta de algumas proximidades tradicionais entre a música que tinha sucesso em Portugal (no caso de Paris) ou que tinha sucesso em português (no caso do Brasil), mas o Duo Ouro Negro foi muito além disso.

Depois de uma passagem em visita pelos EUA, já mais perto dos anos 70, o grupo aproximou-se da música que estava a ser feita entre os afro-americanos do Civil Rights Movement, o que veio a influenciar alguma da sua produção musical. Por lá lançaram até um dos seus discos com o nome adaptado de The Music of Africa Today. Raul e Milo estiveram mesmo entre o público-multidão do famoso festival de Woodstock. Depois disso, atuaram no Waldorf Astoria, em Nova Iorque, e seguiram caminho no continente para uma apresentação no Teatro Maipu, em Buenos Aires.

Mas a sua música nascida em Angola foi ainda mais longe, e em 1970 estava presente na Exposição Universal de Osaca, Japão. E, sendo muito mais perto, o Duo Ouro Negro subiu em 1971 a um palco que espantará muitos dos jovens de hoje – o do Festival Vilar de Mouros. Eram outros tempos, claro, mas eram também tempos em que uma internacionalização com esta dimensão estava apenas ao alcance de outra cantora de língua portuguesa – Amália Rodrigues.

“Será a história da música africana, desde que saiu de África até que voltou”

Quem o disse foi Raul Indipwo, em 1970, a referir-se ainda ao disco Blackground, ou pelo menos à ambição com que o Duo Ouro Negro olhava para o seu próprio trabalho. “Apesar de todas as mudanças, nós somos os mesmos, com o mesmo objetivo: cantar o nosso povo, a nossa terra”, disse mais tarde, já em 1982, Milo MacMahon, numa entrevista ao jornal O Tempo.

Era essa a sua missão muito pessoal, desde os tempos em que viajavam por Angola de ouvidos bem abertos, ou quando mergulharam em arquivos sonoros como o da Diamang: alcançar uma “expansão cultural angolana”. Mas o Duo Ouro Negro não tinha como fugir ao seu tempo, e acabou por ficar “preso” às indefinições do Portugal colonial, que os reclamou como símbolo nacional, mesmo que eles próprios nunca tenham perdido de vista a sua noção de legado cultural angolano e africano.

Milo MacMahon e Raul Indipwo na imagem que fez a capa da reedição de “Blackground” de 1981

A partir de pequenos sinais, é legítimo levantar a questão sobre se esta disputa de identidade tem dificultado a correta avaliação da sua obra, e mesmo a atribuição do devido valor ao trabalho musical deixado pelo Duo Ouro Negro. Há, por exemplo, quem alegue que o nome da banda foi fixado por uma locutora do Rádio Clube Português, mas há também quem diga (nomeadamente, num artigo do Jornal de Angola) que quem o fez foi uma locutora da Rádio Uíge, da Emissora Nacional de Angola.

Assim, há igualmente quem em Portugal os mantenha fechados na gaveta do saudosismo colonial, não vendo a sua obra além disso, enquanto em Angola há quem os afaste como pouco genuínos. Num estudo académico de 2008, feito por Marissa J. Moorman para a Universidade de Ohio, intitulado Intonations – A Social History of Music and Nation in Luanda, Angola, from 1945 to Recent Times, o Duo Ouro Negro, com toda a dimensão que atingiu, tem direito apenas a uma pequena nota, e uma nota que refere que Albina Assis lembra que “aqueles envolvidos nos movimentos nacionalistas os menosprezam por tocarem a música dos Ngola Ritmos sem lhes darem os devidos créditos”.

[“Amanhã”:]

Cada um deles, Raul e Milo, sabendo sempre que “venho de longe, de longe eu sou / tem outro nome quem me comprou”, falariam aqui da vontade de voltar à “terra amada”, que é o foco da música “Amanhã”, também ela uma mistura de muitas coisas, vindas de vários sítios. Sem pensar em disputas, misturaram o que trouxeram de Angola com o que foram apanhando pelo mundo, e fizeram música que é africana, que é da América do Sul e do Norte, que é sobretudo do Duo Ouro Negro e que devia estar em mais sítios, ser de mais gente, ouvir-se mais por aí.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)