O telefone está a chamar: depois de uma primeira ligação que foi direta para o gravador de chamadas, agora havia sinais de vida mais esclarecedores.

“Hello? Oh, hi! How are you?”

É isto que se ouve do lado de lá. De voz aguda e com um sotaque inglês profundamente vincado, bastante posh, até, Jimmy Carr fala com o Observador. O comediante britânico quase nem parece respirar, tal a rapidez com que a suas palavras saem da boca. De rajada, explica que está naquele preciso momento a sair de um avião, em Frankfurt, onde irá atuar dali a umas horas.

“Peço imensa, imensa desculpa, mas acha que me poderia ligar daqui a 20 minutos, por favor? É só para ter tempo de passar o controlo de passaporte e chegar ao hotel. Ele fica mesmo o pé do aeroporto, não demoro quase nada a lá chegar!”

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.