A citação é atribuída a Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, e terá sido proferida a 7 de setembro de 2015 nas páginas do Correio da Manhã: “Países como Portugal e a Irlanda não devem esquecer o seu passado e devem acolher o maior número de migrantes”. A frase, com data e local, acompanhada de uma fotografia da líder bloquista tornou-se viral no Facebook, tendo ultrapassado as 17 mil visualizações. Acontece que é falsa. Não foi Catarina Martins quem o disse, mas sim, André Ventura.

A publicação que ultrapassou as 17 mil visualizações.

Basta uma consulta ao arquivo do Correio da Manhã para perceber que no dia em questão, 7 de setembro de 2015, não há nenhuma entrevista ou artigo com declarações da coordenadora bloquista. E em nenhuma pesquisa na internet se encontra esta declaração associada a Catarina Martins. Mas encontra-se, pelo contrário, um artigo de opinião assinado por André Ventura, à data militante do PSD, cujo lead é essa mesma frase. Ou seja, a citação é atribuída a André Ventura e não a Catarina Martins.

O artigo de opinião foi publicado na edição do Correio da Manhã do dia 7 de setembro de 2015, encontrando-se também online com o título “Os refugiados e o Mar da Morte“.

É nesse artigo que André Ventura, que, anos mais tarde viria a formar o partido Chega, considera que “não podemos simplesmente fechar os olhos e virar a cara ao drama humano que representam estes fluxos migratórios desesperados”, sublinhando que o ónus não pode ser imposto apenas aos países voltados para o Mediterrâneo, nem aos países mais ricos, “como a Alemanha”. Daí que diga: “Países como Portugal e Irlanda, por exemplo, não devem esquecer o seu passado recente de emigração e devem acolher o maior número possível de migrantes”.

Ventura considera, no entanto, “correndo o risco de ser impopular”, que há um “mas” no acolhimento aos refugiados: o terrorismo. “Estamos a descuidar em demasia o problema do terrorismo. É evidente que, uma vez concluído pelas redes terroristas que a Europa acolhe, sem hesitações ou monitorização séria, todos os refugiados, aquelas não hesitarão em infiltrar os seus guerrilheiros nesse imenso mar humano, reforçando as bases existentes e até reconstituindo células adormecidas. Até por uma razão óbvia: são estas redes que, muitas vezes, financiam e organizam as desastrosas viagens pelo Mediterrâneo”, lê-se.

Conclusão

Não foi Catarina Martins que disse a frase em análise, mas sim André Ventura num artigo de opinião publicado no Correio da Manhã, na edição de 7 de setembro de 2015. Ou seja, a frase está correta, a data da publicação também, mas o autor da citação está errado. Trata-se, assim, de uma publicação falsa.

E de acordo com o sistema de classificação do Observador, este conteúdo é:

ERRADO

No sistema de classificação do Facebook, este conteúdo é:

FALSO: As principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota 1: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook.

IFCN Badge