Todas as crianças se portam mal – quem tiver em casa um anjo papudo que nunca partiu um prato, que atire a primeira pedra – são miúdos e é próprio da idade. Como tal, os pais utilizam uma panóplia de pedagogias para evitar comportamentos menos desejados, advertindo-os dos monstros que levam as crianças mal comportadas. Entre os suspeitos mais populares temos o “bicho-papão”, o “homem mau que leva crianças num saco”, e “os comunistas que comem criancinhas ao pequeno-almoço”.

Quando eu desfrutava da inocência dos meus cinco anos de idade a minha mãe também recorreu a esta técnica, tendo desenvolvido uma história especialmente tenebrosa de que me tinha encontrado no lixo, depois de eu ter sido abandonada pela minha mãe biológica, e que se me portasse mal, ela me iria devolver. Admitindo que esta não foi a melhor pedagogia, e sendo passível de causar algum trauma infantil, a verdade é que funcionava e nunca padeci de mais do que a estupidez natural que assiste a (quase) todos.

Apesar da minha tenra idade eu não conseguia conceber que uma mãe abandonasse o seu filho, muito menos no lixo. Era uma ideia que eu abominava e que assombrava os meus piores pesadelos. Infelizmente, a semana passada fiquei a saber que era um pesadelo bem real. Uma mãe abandonou o seu filho recém-nascido dentro de um ecoponto, e milagrosamente, a criança sobreviveu contra o destino que a mãe lhe tinha reservado.

Desde então, muito se escreveu sobre a senhora e muitos opinaram sobre a mesma, sobre a sua nacionalidade; sobre a sua condição social; sobre o perdão que lhe concedem; e sobre o que a sociedade lhe deve, etc… E sobre isso eu tenho a dizer que:

  1. A nacionalidade a que pertence pouco importa, nem a escusa nem a acusa. Existem em igual medida indivíduos capazes de produzir maravilhas e atos vis em todas as nacionalidades, etnias, religiões, sexos, orientações sexuais, signos e outras afinidades, às quais eu peço o perdão de me estar a esquecer de referir aqui.
  2. Não se pode, de igual forma, desculpar o ato dantesco desta mãe pela condição social em que vivia, pois sem abrigo ou não, e sem apoio ou não, continua a ser um indivíduo dotado de racionalidade, capaz de distinguir entre o certo e o errado, tal como o senhor que encontrou o bebé e que não deixou que a sua situação sócio-económica o impedisse de fazer a ação correta. Nesse mesmo sentido, a mãe da criança compreende aquilo que constitui um crime ou não, e poderia tê-lo evitado se tivesse tomado tantas outras opções à sua disposição, como entregar a criança junto duma instituição que cuidasse da mesma, mas optou por abandonar o seu recém-nascido à sorte e esperar que este morresse no lixo. Que não haja equívocos nesta situação: esta mãe cometeu um crime, e como tal, deve ser julgada pelas instâncias competentes. A sua condição social poderá ser uma atenuante, mas nunca uma justificação. Caso contrário incorreremos numa espiral de relativismo onde todos podem ser desculpados pelas circunstâncias que os assolam, onde a responsabilidade não tem lugar; e abrir-se-á um perigoso precedente para estes e outros casos.
  3. Não cabe à sociedade perdoar a mãe. A criança, a seu dado tempo fará o que entender. E se não a perdoar não é menos humano por isso, nem menos benevolente. Se calhar as suas publicações não irão receber tantos “gostos”, ou não irá ser abraçado pela Cristina Ferreira na SIC mas espero que não seja isso que o mantenha acordado à noite.
  4. A culpa do que aconteceu não é da sociedade, é da mãe da criança, e não, a sociedade não tem de pedir desculpas pela situação em que esta se encontra. Em liberdade todos somos responsáveis pelas nossas ações e pelo nosso destino, seja este mau ou bom. Esta progenitora também o é.

Contudo, enquanto sociedade temos um mea maxima culpa a fazer, pois estamos doentes e sem rumo. Saltamos à oportunidade de berrar contra quem abandona um animal, caem-nos as lágrimas, rasgamos a camisa e queremos justiça, mas somos incapazes do mesmo sentimento para com quem abandona uma criança indefesa – ou um idoso, aproveitando o ensejo.

Tivesse esta mãe abandonado uma fofinha cria de gato e diríamos que não teria coração. Como abandonou “apenas um bebé” foi uma consequência das vicissitudes da vida. E sorte teve ele que ela o decidiu deixar nascer, podia muito bem ter abortado, que assim evitavam-se todos estes problemas incómodos, não é assim Portugal?