Agricultura

Agricultura: Ditames europeus e opções nacionais

Autor

Os resultados na Agricultura só são visíveis a longo prazo. Começa a ver-se, hoje, o que foi sendo semeado ao longo de três décadas, quase sempre com desconfiança por parte dos media.

Durante mais de três anos foram duramente negociadas nas instituições europeias as dotações financeiras e as regras da política agrícola europeia, que vigorarão até 2020, e começam agora a ser aplicadas em Portugal.

A nova Política Agrícola Comum, PAC, garante um envelope financeiro para o nosso país superior a oito mil milhões de euros, mais de metade dos quais sem exigência de qualquer co-financiamento nacional. Em 50 anos de PAC, e 30 de adesão de Portugal à UE, esta é, de longe, a mais adaptada à nossa realidade e, também, a mais positiva para os consumidores, para os contribuintes e para os cidadãos europeus em geral.

A alteração de paradigma que foi introduzida na nova política agrícola europeia torna-a mais “verde” e sustentável, uma vez que os pagamentos diretos por hectare ficarão condicionados ao cumprimento, por parte dos agricultores, de práticas agrícolas amigas do ambiente, as chamadas medidas de “greening”, concebidas de forma a conciliar a valia ambiental com a competitividade do setor.

Os agricultores deixarão de ser subsidiados em função das quantidades produzidas, muitas vezes a qualquer preço, passando a ser remunerados, mediante um pagamento por hectare, pelos “serviços ambientais” que prestam a toda a sociedade.

Teremos também uma PAC, mais justa, uma vez que, ainda que aquém do desejável, haverá uma maior aproximação do valor médio pago por hectare aos agricultores dos diferentes Estados-membros. Haverá igualmente maior equidade entre os próprios agricultores dentro de cada país, tendo em conta que, até 2020, será aplicado um mecanismo de “convergência” que transferirá uma percentagem das ajudas diretas daqueles que recebem valores, por hectare, acima da média nacional, para aqueles que dela estão abaixo, de forma a que nenhum fique aquém de 60% desse valor médio. Mas, por outro lado, ninguém, dos mais beneficiados, verá o seu nível de ajudas ser reduzido em mais de 30%.

A possibilidade dos Estados membros majorarem, até 65%, os primeiros 30ha, ficou igualmente contemplada, de forma a beneficiar, de forma acrescida, a pequena agricultura. Passa a ser também a ser concedida aos Estados membros, a faculdade de poderem reduzir apoios acima do limiar dos 150.000 euros anuais por agricultor, redistribuindo o remanescente pelos restantes, elevando assim o valor médio unitário dos pagamentos por hectare. Tais pagamentos passam a abranger todas as culturas e não apenas alguns setores específicos, como sucedia no passado.

Haverá ainda um regime simplificado e financeiramente mais benéfico para os pequenos agricultores, impedindo que nenhum deles receba menos de 500 euros, como sucedia. E, igualmente, apoios mais alargados para os jovens agricultores, traduzidos, para além de uma ajuda financeira à primeira instalação, a fixar por cada Estado membro, até 70.000 euros, por uma majoração de 25% das ajudas diretas, até aos primeiros 90 hectares.

É ainda introduzido o co-financiamento comunitário para os sistemas de seguros agrícolas e de fundos mútuos, para acorrer a situações de catástrofes naturais, incluindo incêndios florestais, ou de doenças de plantas e de animais. Igualmente elegíveis, apoios a fundo perdido para diversos tipos de investimentos nas explorações agrícolas, na agro-indústria, na irrigação, e para um vasto número de outras medidas, como as chamadas “agro-ambientais”, os apoios à floresta ou compensações para as denominadas zonas de montanha ou sujeitas a outros constrangimentos naturais ou, até, apoios para investimentos não agrícolas, ao abrigo de um conceito mais amplo de desenvolvimento rural.

As regras comuns e os apoios financeiros europeus de que Portugal beneficiou nos últimos trinta anos, garantiram uma “certa continuidade das políticas”, que contribuíram de forma relevante para que agricultura portuguesa tivesse dado um importante salto qualitativo, pese embora os custos inerentes aos ajustamentos estruturais que foi necessário efetuar, em muitos casos com pesados sacrifícios para os agricultores e as populações rurais.
A agricultura rege-se pelos ciclos lentos da natureza e os resultados só são visíveis a longo prazo. Começa a ver-se, hoje, o que foi sendo semeado ao longo de três décadas, quase sempre com desconfiança, senão mesmo hostilidade, por uma boa parte dos “media”.

Causa-me, por isso, alguma tristeza constatar que, depois de tantas e tão penosas horas de negociações, no preciso momento em que é concedida aos Estados membros da União uma margem de manobra de decisão nacional antes inimaginável, a mesma não seja utilizada pelo atual governo de Portugal para introduzir fatores de maior justiça e equidade entre os agricultores portugueses, durante tantos anos reclamados e não concretizadas, com o preciso argumento de que os ditames de Bruxelas o não permitiam.

* Ex-Deputado Europeu e Relator do Parlamento Europeu para a Reforma da PAC.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)