Rádio Observador

Educação

Cinzas de um Eton português

Autor
  • António Fidalgo
372

Outro grande colégio dos jesuítas, o de Campolide, também fechou com a República. Passados 107 anos, a capital Lisboa tem o São João de Brito, também dirigido por jesuítas. No interior, temos cinzas.

Neste estio maldito de 2017 ardeu o Colégio de São Fiel. No dia 15, no fogo que de 13 a 16 de Agosto lavrou desde o Louriçal do Campo pelas encostas da Gardunha, entre os concelhos de Castelo Branco e Fundão. A comunicação social referiu-se ao colégio como um enorme edifício fechado e abandonado, actualmente integrado no programa Revive, e alguns órgãos até acrescentaram que naquele antigo colégio de jesuítas havia estudado Egas Moniz, o primeiro prémio Nobel português. Breve notícia e memória curta de um incêndio anunciado há mais de um século.

O Colégio de São Fiel era na passagem do século XIX para o século XX o melhor colégio do ensino secundário em Portugal. Luís Cabral de Moncada, catedrático de Direito de Coimbra e também ele antigo estudante do colégio, conta nas memórias que “os inimigos dos jesuítas, liberais, anticlericais e outros eram os primeiros a mandar para lá os filhos”. O que fora um orfanato fundado por Frei Agostinho da Anunciação em 1855 passou para a direcção dos jesuítas em 1863 que dele fizeram um colégio interno modelar procurado pelos filhos família, monárquicos e republicanos, de Lisboa. A construção da Linha Férrea da Beira Baixa, inaugurada em Setembro de 1891 pelos reis D. Carlos e D. Amélia, permitia que os alunos e acompanhantes apanhassem às nove da manhã o comboio-correio e por volta das oito da noite chegassem à estação de Castelo Novo, onde os esperava a charrete do colégio. Ali, entregues aos padres ficavam os alunos durante todo o ano, voltando apenas em Agosto e Setembro aos mimos das famílias, para regressarem em Outubro à rígida disciplina do internato.

A educação escolar centrava-se nas letras e nas ciências, mas havia também formação artística, sobretudo música e teatro, e praticava-se muito desporto. Sobretudo o ensino das ciências atingiu um patamar de excelência. Nas palavras de Cabral de Moncada: “Além de os Jesuítas contarem entre eles vários naturalistas distintos, como o Padre Louisier e o Padre Silva Tavares, fundador da Brotéria, o colégio dispunha de laboratório, gabinete de física e museu zoológico, de borboletas e outros insectos e bichos, que eram, segundo voz geral, do melhor que no género havia no país. Eram notáveis as suas colecções de zoocecídias e lepidópteros que a Revolução da República, em 1910, lhes roubou.”

Sim, em 1910 veio a República, o regime republicano expulsou os jesuítas, o Colégio de São Fiel fechou e o seu espólio foi espalhado aos quatro ventos. Em 1920 a República converteu o colégio no Reformatório de São Fiel, o lugar para onde eram enviados os corrécios, como se dizia então, e agora, traduzido na linguagem actual, jovens delinquentes. Em 1962 mudou a designação para Instituto de Reeducação de São Fiel, mas com a desertificação do Interior, com a emigração em massa para França e outras paragens, o outrora melhor colégio de Portugal acabou por ficar sem ninguém. Há anos que estava abandonado. Em 2017, ardeu.

É verdade que o outro grande colégio dos jesuítas ao tempo da monarquia, o de Campolide, também fechou com a República. Mas, passados 107 anos, a capital Lisboa tem o Colégio de São João de Brito, dirigido por jesuítas. No interior, temos cinzas.

Para terminar, vale a pena transcrever as declarações que o Presidente da Junta do Louriçal, Paulo Serra, fazia à Rádio Cova da Beira em Março de 2015: “eu não quero morrer sem esse assunto ficar esclarecido, eu acho que o Estado Português devia indemnizar o Louriçal do Campo. Esta terra cresceu e desenvolveu-se em função de S. Fiel, muitas pessoas aqui constituíram família, investiram, muitos vieram de fora para cá fazer investimentos em comércio e serviços, de repente fechou e foi-se tudo embora. S. Fiel foi, nos últimos 20 anos, uma desgraça para o Louriçal.”

Depois do incêndio de São Fiel, que vai fazer a gente de Lisboa que tem a força para decidir o que se passa no país, mesmo em Louriçal do Campo, para fazer justiça a este país profundo que em 1910 tinha o melhor colégio do país, com perto de 400 alunos internos, e agora tem escombros e as cinzas?

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Universidades

Ciência e precariedade

António Fidalgo
350

Se as universidades já nem têm dinheiro para os salários dos seus professores de carreira, como podem contratar a tempo inteiro investigadores que a FCT produziu e não soube integrar na economia real?

Universidades

Injustiça, iniquidade, inânia, e interior

António Fidalgo
866

Lisboa não é zona de convergência, mas acaba de receber, efectivamente, mais dinheiro de fundos comunitários que qualquer zona do Interior. Iniquidade é o que é. Chamem-se os bois pelos nomes.

Universidades

Reitor me confesso

António Fidalgo
350

Os reitores fazem verdadeiros milagres, omeletes sem ovos. Um estudante fica mais barato ao Estado do que um aluno do secundário. E qualquer casal paga mais pelo filho na creche do que na universidade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)