Economia em dia com a CATÓLICA-LISBON

Coup d’état ou Guilhotina?

Autor
  • Nelson Camanho
184

As instituições brasileiras passam por um amadurecimento e a turbulência actual trará um país onde os incentivos para corrupção, sobretudo de políticos, diminuirão, com muitos benefícios a longo prazo

Um coup d’état ou golpe de estado é, de acordo com o Cambridge Dictionary, um evento repentino no qual se derruba ilegalmente um chefe de estado que foi eleito de acordo com a Constituição, e quase sempre de forma violenta e com o envolvimento de militares.

No dia 31 de agosto de 2016, após cumprir 608 dias do mandato de reeleição oferecido por 51,6% dos eleitores brasileiros, Dilma Rousseff foi afastada legalmente e definitivamente da presidência do Brasil através de um processo longo, sem surpresas, seguindo o rito constitucional e com zero participação dos militares. [O fatiamento do impeachment foi o único desrespeito à Constituição: no mesmo dia que o Senado decretou o impeachment de Dilma, votou que ela não estaria inelegível pelos próximos oito anos. A Constituição previa que o presidente impedido deveria ser inelegível por oito anos.] Houve muitas manifestações dos que concordavam e dos que discordavam com o impeachment, como assim deve ser numa democracia vibrante.

Dilma foi impedida por cometer um crime de responsabilidade. Ela usou e abusou do uso de dinheiro de bancos estatais e de recursos do FGTS (a poupança que o trabalhador brasileiro é forçado a fazer para a reforma) para financiamento de programas sob a tutela do Tesouro Nacional, as malfadadas “pedaladas fiscais”. Não foi a primeira presidente a utilizar este recurso, mas certamente foi a única que não deixou dúvidas que o fazia para diminuir artificialmente o rombo das contas do governo federal. Segundo dados de um relatório do Banco Central do Brasil e divulgado pelo jornal Folha de São Paulo, durante o governo FHC (1995-2002), a dívida acumulada com os bancos não passou de 0,1% do PIB. O correligionário e principal responsável pela eleição de Dilma, Lula (2003-2010), não presenciou durante o seu mandato níveis maiores que 0,2% do PIB. Dilma, por sua vez, autorizou ou aceitou dívidas em torno de 1,0% do PIB, com forte tendência de alta. O uso extensivo e crescente das “pedaladas” e o seu nível relativo aos dois presidentes anteriores funciona como uma fácil denúncia a qualquer auditor de contas que algo estava fora de controle. Assim pelo menos no dia 7 de outubro de 2015 denunciou o Tribunal de Contas da União que as contas do governo de Dilma relativas a 2014 estavam reprovadas.

No dia 2 de dezembro de 2015, o então presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha aceitou a abertura de processo de impeachment, após a recusa de mais de 30 pedidos anteriores. Em 17 de abril de 2016, a mesma Câmara admitiu o processo de impeachment com 367 dos 513 deputados votando a favor, 25 a mais do que o necessário. Finalmente, no último dia 31 de agosto, 61 dos 81 senadores (7 a mais que o necessário), votaram definitivamente a favor do impeachment. Num último ato em 8 de setembro, envolvendo o Judiciário, o Supremo Tribunal Federal negou uma liminar protocolada pelo advogado de defesa de Dilma para anular a derradeira sessão do Senado.

Decerto, o impeachment é um acontecimento drástico em um regime presidencial, mas certamente respeitou mais as tradições democráticas brasileiras – que já haviam presenciado o impeachment de Collor em 1992 – do que a formação do governo português em 2015 respeitou as tradições democráticas portuguesas. Estas foram quebradas ao não se respeitar a não união de partidos moderados com partidos extremos, a fim de que o Partido Socialista (moderado), ao se unir ao Bloco de Esquerda (extremo) e Partido Comunista (extremo) negassem o voto da maioria de 38,5% de eleitores que deram um amplo mandato à coalizão moderada de direita, entre PPD/PSD e CDS-PP.

Mas visto sob a perspectiva de um continente que se acostumou com o populismo de esquerda, que muitas vezes visou mais à conquista e perpetuação no poder pelos que se dizem defensores dos pobres – Peron, Vargas, Chavez, Kirchners, Maduro, Lula, etc… – em comparação a um governo que tivesse como objetivo a implantação de medidas estruturais, quase sempre impopulares, com o fim de diminuir as diferenças sociais, visto sob esta perspectiva, o impeachment é uma solução natural e uma forma de reequilibrar os três poderes, quando o Executivo, em governos dominados por líderes populistas, desrespeita o Legislativo e o Judiciário.

Vale ressaltar que se Dilma não tivesse tomado decisões económicas desastrosas e não fosse tão desprovida de habilidades políticas, talvez não houvesse motivação política para se levar o impeachment a cabo. Não é certo se o Robespierre dos trópicos, o juiz Sergio Moro, teria força para aprofundar o processo judicial que talvez mais tenha influenciado a história do Brasil, o temido “Lava Jato”, uma verdadeira caça às bruxas, que já cumpriu mais de 100 mandados de busca, apreensão, prisão temporária, preventiva e coercitiva e não poupou nenhum lado do espectro político brasileiro.

Claro que assim como Chavez e Maduro acusam qualquer indício de mudança de poder como golpe, assim como Erdogan afastou juízes, proibiu a saída de professores universitários e persegue jornalistas para “proteger” o seu país de um “golpe” cujos fatos não estão muito claros, Dilma e sua turma adoram propalar para todos e, em particular, para a imprensa internacional que há um golpe no Brasil. Há até membro da turma da Dilma (a filósofa e professora da USP Marilena Chauí) que acusa Sergio Moro de ser um espião infiltrado do FBI. Claro, aos olhos dos estrangeiros menos informados que veem Lula e seu partido como os representantes do povo contra a velha elite branca machista, a explicação simples dos fatos cai como uma luva. Mas por que não ao menos considerar a perspectiva de que as instituições brasileiras passam por um amadurecimento, e a turbulência a curto prazo trará um país onde os incentivos para corrupção, principalmente de políticos, se reduzirão fortemente, com imensos benefícios a longo prazo?

Fábula do golpe ou revolução francesa à brasileira?

Professor Auxiliar da Católica Lisbon School of Business & economics

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)