Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

António Costa. Um príncipe da política, um imperador da pandemia. Além da competência, do amor à verdade e da empatia face ao cidadão comum, esta boa alma conduziu-nos pela tormenta com a leveza de um anjo. Quem não se sentir agradecido, não merece ser português. Quem se sentir, merece.

Álcool-gel. Desinfecte as mãos de 4 em 4 minutos. “As Mãos Sujas”, de Sartre, relata o drama de um sujeito que não o fez e desatou a contaminar os vizinhos.

Austeridade. Conforme prometido, não haverá austeridade. No máximo, há fome, um capricho amaricado e destinado a promover a dra. Jonet da “caridadezinha”.

Autoridades. A palavra inclui governantes, autarcas, técnicos, polícias e articulistas do “Público”. Todos são excelentes, todos contribuíram para o milagre português, que consiste em aumentar o número de infectados numa fase em que a Europa já quase erradicou o bicho – o que deixa o bicho confundido. A miséria e a humilhação são uma factura razoável por tão magnífico trabalho. Agradeça-lhes, de mão no peito, sempre que os vir.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.