Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

1 A vida vai indo, sem ir. Um pé ancorado no mundo aflito dos écrans, o outro, no verde da nova morada, o campo agora para ficar. Residência fixa. E quanto se escreveu, se compôs, se “poetizou”, se pintou, se cantou sobre a vida no campo que não é igual a mais nenhuma outra? Conduzida quase só pelas venturas ou desventuras das colheitas, á mercê do capricho das estações e à rotina implacável do calendário, só as pequenas ocorrências – que podem subitamente ser grandes – lhe enfeitam os dias.

Com gestos que julgávamos esquecidos, ritmos e hábitos que já não eram nossos, sabores e cheiros redescobertos, lugares onde de repente se volta – a barragem, a mata, os charcos, as pequenas colinas – vai-se indo, sem ir.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.