268kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

Maria João Avillez

Colunista

Iniciei a minha actividade profissional ainda estudante, com 17 anos, na RTP, no “Programa Juvenil” e desde  então não mais parei de fazer jornalismo. Fui redactora principal do Expresso, trabalhei no Público e colaborei em diversos meios de comunicação -  do Diário Noticias à revista Sábado, da TSF à Rádio Renascença, da RTP à SIC Noticias. Coube-me a autoria e a apresentação de  centenas de programas semanais  - radiofónicos e televisivos - de debate político ou grandes entrevistas. Em 1982 ganhei o Prémio EFE de Jornalismo, com “Sá Carneiro – o Ultimo Retrato”. Entre 1987 e 1989 trabalhei como assessora no Gabinete do então Ministro da Educação, engenheiro Roberto Carneiro. Tenho dez livros publicados entre os quais se contam as biografias de Sá Carneiro e Mário Soares; um volume sobre Álvaro Cunhal e um longo diálogo com Vítor Gaspar, para além de dois livros de entrevistas e de duas obras dedicados ao trabalho desenvolvido pela Fundação Gulbenkian no espaço geográfico onde se fala português.

Artigos publicados

Cultura

Utopias verdadeiras /premium

Abrir o cofre do Caramulo dentro do Museu Arte Antiga tem sido simultaneamente uma festa e uma surpresa. Há pasmo e maravilha. E tributo, claro, a quem honra o país preservando o seu melhor património
Maioria de Esquerda

Os dias. Estes dias /premium

575
Mobilizem-se armas e tropas não contra os falhanços do Estado, a improdutividade do país, a adversidade dos que ficaram para trás na pandemia mas contra o “fascismo” (não devem de facto saber o que é)
Governo

Dias prodigiosos /premium

195
A regressão vê-se a olho nu: na desqualificação socialista da polis; na participação activa do PS na mediocratização do debate público; no cerco às instituições; na prática governamental da impunidade
Fátima

O silêncio de Fátima /premium

284
“Fátima?” perguntei-lhe uma tarde em que conversávamos os dois, na Capela do Rato: “Foi a coisa mais importante que aconteceu no século XX no mundo. “Nem ele nem eu sabemos se foi ou não. Que importa?
Democracia

Os moderados /premium

A verdade é que este ar do tempo, tão imoderado, me interpela. Convivo mal com o automático extermínio de qualquer sintoma de equilíbrio, qualquer veio de moderação ou vislumbre de partilha de ideias.
Justiça

Os convictos e os inconsoláveis /premium

O caso divide o país transversalmente. É errado radiografá-lo à esquerda ou à direita. Não é todos os dias que se atira um processo ao chão com “deficiências” tão estrondosas.
Pandemia

Portugal ao postigo /premium

181
O gesto presidencial de promulgar os apoios sociais também começou num postigo onde o PR se metera a sós com as suas cogitações. Mas mal de lá saiu, todos os alertas vermelhos se acenderam.
Crónica

Morrer assim /premium

346
Não se passa incólume pelo heroísmo, testemunhá-lo confere pesada responsabilidade. Como perceber que bem vistas as coisas, a santidade está afinal mais vezes do que se pensa, ao alcance da mão.
CDS-PP

Escolhas /premium

155
Pelo sim pelo não, fica este lembrete do que foi ocorrendo com a família centrista, antes da entrada em cena, há cerca de um ano, dos “impreparados” que agora se querem escorraçar.
Presidenciais 2021

Certificados /premium

321
Tudo tão complacente, tão trágico, tão derisório: uma pandemia cruel, um país a cair aos bocados nem se cuida dos vivos nem se enterram os mortos, a ausência de compaixão, a inteira falta de horizonte
Marcelo Rebelo de Sousa

Os estafetas (ou viver como inabitualmente) /premium

Saí dos estúdios da SIC-N com a pesada dúvida sobre quem estaria mais perturbado: se eu, ao ouvir as palavras do Presidente da República, se ele, por as dizer. Ou melhor, por ter querido dizê-las.
Orçamento do Estado

As heranças /premium

Um orçamento não estreado mas já esfrangalhado entre a pandemia, as exigências das esquerdas radicais e o oportunismo político. Haverá pior? Talvez, futuro é que não.
Política

Perguntas com importância /premium

344
A vida continua. Para os signatários é que pode vir a correr menos bem se um dia tiverem que tocar a campainha da esquerda. Ou sem abrigo, nalguma “terra de ninguém”
Cultura

Os benditos do maldito 2020 /premium

Há pequenos intervalos, breves espaços de luz. São breves, mas são os benditos desvios da maldita dupla. Essa tormenta global que ficará registada na História como o assassino número 2O/2O.
Governo

Sim, senhora Ministra, estamos a empurrá-la /premium

426
Ninguém responsabiliza os senhores governantes? Só pelo voto podem ser notificados? Os portugueses vivem hoje entre o desamparo de não saberem como pensar e o desconcerto de não saberem como agir.
Verão

O fim da época /premium

E o peso “deste” fim de época? Os optimistas dirão que se trata de um intervalo num percurso de normalidade conhecida, os pessimistas, como eu, chamam-lhe fim de época: sem medo das palavras.
PS

Ainda existe o PS que Mário Soares quis? /premium

Casado com a esquerda à sua esquerda, o PS mudou. Não se vislumbrando que o “social democrata” que manda no Largo do Rato se aflija com tamanha metamorfose e os seus nefastos (irreversíveis?) efeitos.
Jornalismo

Vicente /premium

A minha vida, pura e simplesmente, nunca será desligável profissionalmente (nem humanamente) da tua e por isso levaste contigo um bocadinho de mim, tanto – mas tanto – foi o que vivemos juntos.
Amália Rodrigues

Milagre foi isto: ter-nos acontecido a voz dela /premium

Nasceu com as cerejas, ninguém sabe bem quando, mas alguém a fez nascer oficialmente a 23 Julho. Amanhã mesmo, faria cem anos.
Política

Estranhezas que afinal eram tristezas /premium

Chega-se à conclusão de como, apesar do tumulto daqueles anos iniciais da liberdade, a política era compatível com coragem, frontalidade, combate, palavra, verdade. Com decência, por outras palavras.
A página está a demorar muito tempo.