Governo

Portugal atrasado, Portugal adiado

Autor
  • Tiago Sousa Dias
897

O que sabemos é que há polícias a dormir em carros porque não têm dinheiro para pagar a renda de casa nas nossas cidades. O que sabemos é que há enfermeiros com as vidas congeladas e salários indignos

Em 2015, António Costa engatilhou uma série de sonhos num documento a que chamou “Programa Eleitoral”. Chamou-lhe assim e jurou que palavra dada seria palavra honrada.

2019 é ano de eleições legislativas e cabe agora aos portugueses avaliar este mandato. Esta avaliação passa, em primeiro lugar, por uma confrontação entre aquilo que foram as promessas eleitorais e os resultados obtidos ao longo de quatro anos de socialismo.

No seu programa eleitoral, o PS prometia “Combater a precariedade laboral”. Ora, nunca nos últimos 15 anos estivemos tão mal. Nem nos tempos da bancarrota; nem nos tempos da troika. Um terço dos vínculos laborais no setor privado são precários. No essencial, contratos a termo e os ditos recibos verdes. Atrás de nós no espaço da União Europeia, apenas a Espanha e a Polónia.

“Defender o SNS, promover a saúde”. Outra das prioridades, outro dos falhanços de António Costa e da Frente de Esquerda. Médicos, Enfermeiros, Administrações Hospitalares, empresas privadas da saúde, farmacêuticas com milhões em créditos adiados. Todos estão em guerra com o Governo. Aumenta o tempo de espera para consultas. Aumenta a mediana do tempo de espera para cirurgias que vem a subir e atinge já quase 4 meses. Sucedem-se as greves.

Outra das prioridades, o da “Convergência com a Europa”, é aquele que deve ser o grande desígnio nacional de Portugal para os próximos anos. Quem se apoderou deste tema foi Pedro Santana Lopes e não foi apenas agora com a Aliança. Já falava deste grande objetivo em 2008, em 2005, em 1993. Portugal continua a crescer pouco e sabe a pouco quando dados recentes afirmam que conseguimos umas décimas acima do crescimento médio da U.E., sobretudo quando tal se deve, não a um aumento do nosso crescimento económico, mas antes ao abrandamento da economia europeia. Continuamos a cortar na ambição e a não promover a nossa autonomia global.

Percorrido todo o programa eleitoral do PS, é difícil vislumbrar onde e quando foi a palavra dada verdadeiramente honrada, mas há ainda outro capítulo com um indicador determinante para avaliar o sucesso ou insucesso desta governação. O indicador do rendimento disponível para as famílias. É que ainda que estejamos hoje com a maior carga fiscal de que há memória, a Frente de Esquerda não se cansa de exultar este indicador que tem registado uma ligeira queda mas ainda assim umas décimas acima da média europeia. Este é porém dos mais falaciosos indicadores, que não consegue aplicar qualquer correção às disparidades salariais que em Portugal se vêm acentuando. Ou seja, não sabemos que fatia do rendimento vai para os mais ricos e que fatia sobra para os mais pobres e, assim, não sabemos quanto sobra a alguém que vive de um salário chorudo de € 900,00 brutos como é o caso de tantos dos profissionais quer da administração pública quer do setor privado.

O que sabemos é que há polícias a dormir em carros porque não têm dinheiro para pagar uma renda de casa nos grandes centros urbanos. O que sabemos é que há enfermeiros com as vidas congeladas e salários indignos. O que sabemos é que estamos em mínimos históricos de poupanças privadas. O que sabemos é que continuamos no núcleo da crise do malparado e que empresas e particulares continuam incapazes de pagar créditos. E sabemos hoje que deste rendimento disponível, em média 80% serve para pagar dívidas à banca quando essa taxa de esforço se devia ficar pelos 35%.

O que sabemos é que este é o Portugal real. O resto, são rosas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Três desafios para o 5.7

Alexandre Franco de Sá

Apesar das adversidades políticas, trata-se de despertar a direita acomodada e bocejante contra a hegemonia cultural de uma esquerda que, indisputada no espaço público, dociliza há décadas a sociedade

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)