Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

15th July 2020

Esta terra de Santo André está moribunda, foi picada pelo CV19 até ao âmago, não há ventilador que lhe valha. Se não repare: os estudantes da Universidade sumiram (cerca de 8.000); os golfistas também, eram cerca de 2.000 por dia; e os passantes estão nos mínimos! Além dos campos de golf, os hotéis e restaurantes também estão vazios, e a economia dos cerca de 15.000 habitantes está de rastos.

Mas alvíssaras!: nesta aldeola fenecente, reabriu hoje o Clubhouse do meu querido Royal & Ancient Golf Club of St Andrews, R&A! Mas, oh, mas!, a que preço! Custa muito dizer que o ambiente está a ficar rarefeito desde 2004, ano em que resolveram criar empresas à parte para amealhar as receitas de milhões, sobretudo oriundas dos direitos de transmissão por TV do British Open (que são nossos). Depois, em 2014, a esmagadora maioria dos sócios votou a favor da admissão de senhoras, não sem que antes tivesse desaparecido uma gravura do Edmund Hillary muito bem apanhada, em que, ao ser o primeiro a chegar ao topo do Everest pela primeira vez na história diz para o Sherpa: “foi mais fácil chegar aqui do que uma mulher entrar no R&A”. Mas repare: o eterno feminino refrescou muito o ambiente que, de sizudo, passou a garrido. Sobretudo quanto a saias curtas e provocantes, decotes profundos, e o alarido afim a causar rachas nos copos e nas paredes. Foram coisas que vieram alterar os sussurros do Big Room e da sala de jantar. O costume de, no fim da partida de golf, senhores recém mudados e duchados, de blazer azul escuro e gravata do club, apenas a falar de golf (política, negócios e sexo, fora de questão!), isso ficou muito abalado.  E hoje dia 15 de Julho, mais uma machadada na circunspeção deste monumento da Velha Albion. Não só nos foi permitido estar no Big Room e na sala de jantar sem blazer nem gravata e ainda vestidos à golf (sem duche, pfff…), como tive que encomendar de véspera o meu duplo gin tonic para me recompor depois dos 18 buracos no Old Course!!! E, por causa do distanciamento social, dois terços dos móveis foram para o armazém: aquilo está bizarro!

Mas quem sou eu para julgar! Os tempos e o vírus viram tudo do avesso, mas sempre foi assim ao longo dos séculos, mais peste menos peste, mais guerra menos guerra. A propósito de julgar, fico sempre agradado aqui na Great Britain com a absoluta discrição dos juízes e dos media até às sentenças de arguidos e réus nos tribunais. E os media, se se atrevem a passar o risco vermelho e falam antes de tempo, pagam pesadíssimas multas. O que me deixa boquiaberto é aquilo que se está a passar na Lusitânia: detalhes dos processos são divulgados nos media até ao penúltimo detalhe não só antes das sentenças, mas sobretudo antes dos julgamentos. E os arguidos e réus, culpados ou não, são degolados na Praça do Comércio em Lisboa, ou na Praça da Liberdade no Porto muito antes da sentença. Quando são absolvidos já é tarde: foram liquidados! Mas nesse cafarnaúm lusitano, o opinianómetro está no auge. Imagine que nas televisões lusitanas há uns influentes comentadores que destroçam juízes até ao osso, por causa de decisões que lhes desagradam! C’os diabos: por piores que lhes pareça, são juízes! E malhar no juiz A ou B dessa forma tão abrasiva abala o já frágil estado de direito Lusitano, digo eu, que nada tenho com isso!

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Já agora aproveito para perguntar se o Hans, que tem toda a gente a seus pés, não conhece um tal Melo (não estou certo que tenha mais ls..) que é quem manda num Hospital de Infante Santo, da CUF, lá em Lisboa. Telefonou-me o nosso comum amigo Egas da Costa Moniz, muito ralado com o que se passou com ele: primeiro, na entrada 1 onde foi fazer uma Ressonância Magnética, foi uma gritaria e um alarme tremendo para os já fragilizados pacientes que esperavam vez e foram afastados, por que “vão passar dois covids!”; depois por que após longa espera, disseram-lhe que a máquina avariara e sugeriram que esperasse pelo técnico da Siemens!; preferiu marcar o exame para outro dia, e à segunda, disseram-lhe que estava com sorte, pois aquela máquina onde o meteram era bem melhor que a outra (por natureza “pior”!); finalmente, por que, passados uns dias, quando lá voltou para ouvir o veredicto do Senhor Doutor, grande profissional e melhor pessoa, as imagens não estavam no sistema, parece terem ido à viola, e o veredicto foi feito por telefone, o Costa Moniz não soube por quem. Parece que vão fechar tudo e mudar para um hospital novo em Alcântara. Enquanto isso, e apesar dos médicos e enfermeiros terem fama do melhor, os doentes que se amanhem com o que há, tudo em aparente decomposição rápida.

Yours ever

18 Juli 2020

Hoje sirvo-lhe um aperitivo, uma espécie de Dry Martini. Excepcionalmente, o papel em que lhe escrevo não é o meu pessoal, mas o timbrado já com o NOVO logo e o sempre presente melro da Woschiems, cada vez mais impante e ufano. E, como todo o Dry Martini que se preze, é acompanhado de azeitona e casquinha de limão, pelo que peço o beberrique entre o passado (anos 50 e 90, os dois primeiros melros) e a amostra de criatividade de 2020:

dr

O melro pia na família Hoffmann há centenas de anos, e na empresa desde 1950. Foi redesenhado nos anos 90, e agora, em 2020, muito mais “à moda”! Como pode ver por uma das fotos que aqui lhe envio, o logo posiciona-se muito bem entre a Tesla, a Amazon e a Google! Desde os contentores, aos chips fabricados em Silicon Valley, à vestimenta de milhares de colaboradores das nossas 111 fábricas, aos PCs, aos copos de vinho da trotinette nova do grupo, nada foi poupado. Eis a trotinette: o nosso novo mini jet Gulfstream G650 que tem autonomia de 12.000Km, dá para chegar daqui a Tokyo sem escala, com o melro sempre a piar melodicamente…

dr

Ou seja, já está tudo em ponto de rebuçado para ser apresentado! Mas por enquanto é só entre nós, suplico-lhe!

O William tem que se encontrar com o Thomas Mayer (mais conhecido por Henkel) que, com a ajuda do Jupp Bravwetter cuja genialidade resulta do sangue lusitano que lhe faz bater o coração, fizeram este trabalho fabuloso! Vai conhecê-los aos dois e ao Elon Musk num jantar para que (amainados os amúos…) o vou convidar!

Mas, se quer que lhe diga, considero este sucesso de imagem de marca, irreal!

E, tal como a Apple, estou feliz, e a aplaudir, pois vou continuar a investir ainda mais na Irlanda. O IRC é apenas de 12,5%, permitindo às nossas unidades de Silicon Valley nos USA um acesso muito competitivo ao mercado da União Europeia. Ora a Comissária europeia Margrethe Vestager estava a sonhar com peixinhos à moda staliniana de Bruxelas, ao querer alterar a lei fiscal da própria Irlanda, e fazer com que a Apple pagasse cerca de €14 biliões de impostos às taxas de IRC europeias. Mas ela levou com o xissa (curiosa expressão lusitana!) do próprio tribunal da UE, que numa sentença histórica mandou a Apple em paz. Ficou desacreditada, e o pesadelo de uma união fiscal na UE ficou arrumado.

Na Lusitânia é que já investi que chegasse: os impostos estão proibitivos e os custos de energia são tão abusivos que andam a querer levar para a cadeia quem mexe nisso mansamente; as leis contradizem-se umas atrás das outras pois quem as faz, coitados, não estão lá muito bem preparados; os da rosa em punho, apesar da nossa adorada Lusitânia precisar do investimento estrangeiro como de pão para a boca, querem acabar com o sector privado; os rosados, que mandam, tanto insultam o nosso húngaro Orban, como depois lhe vão dar beijos na boca e chamar-lhe Tarzan; o maquiavélico Santos Silva (que, ora um dia parece um doce de voz meiga no Ministério dos Negócios Estrangeiros, ora no dia seguinte sente-se controleiro soviético e arreganha o dente com leveza)  e anda-vos a acusar aí na Grande Britânia de não respeitar tratados com 600 anos por vocês não poderem ir a Lisboa com medo dos vírus às centenas que não há quem os trave nessa cidade. Olhe: quem é o investidor estrangeiro que neste momento, sem ser corrupto, quer ir para aquele nosso querido rectângulo? As duas fábricas que lá temos estão muito bem e recomendam-se, ponto final. Não quero mais, e estou feliz com a qualidade e o carácter da muita gente lusitana a quem dou, não emprego, mas trabalho. E esta desorientação total que por lá lavra esperemos seja passageira…

E vou ver se dou uma palavra a esse Mello (sim, com dois ou três lls), que creio é Vasco, excelente pessoa. Mas o caso do Costa Moniz merece que o vá maçar!

E viva o novo logo da Woschiems, wünsch mir Glück! Freundliche Grüße, com a amizade de sempre,

Palavras Cruzadas é o título de uma série de cartas íntimas trocadas entre dois amigos. Um é alemão (Hans Hoffmann), residente em Krefeld, perto de Dusseldorf, e outro escocês (William Archibald), residente em St Andrews, na Escócia, mas ambos com casa em Portugal, país que os apaixonou. A correspondência tende a revelar um Portugal e um mundo vistos por Hoffmann na perspectiva da floresta, mas mais como árvore nas cartas de Archibald. Misturam nessa correspondência acontecimentos políticos, sociais culturais e económicos tanto portugueses como internacionais, revelando o seu cosmopolitismo. Usam de ocasional ironia em factos por vezes semi-ficcionados.