Logo Observador
Lei da Cópia Privada

Quase sete mil pessoas já assinaram petição contra a lei da cópia privada

217

Petição foi lançada pela Ansol na segunda-feira à tarde e já conta com quase sete mil subscrições. A partir das quatro mil, o regulamento da Assembleia obriga a que haja debate no Parlamento.

Proposta de lei da cópia privada é debatida esta sexta-feira no Parlamento

AFP/Getty Images

Quase sete mil pessoas assinaram uma petição contra a proposta de lei da cópia privada, que vai a votos na sexta-feira, 19 de setembro, na Assembleia da República. A petição foi criada pela Associação Nacional para o Software Livre (Ansol), na segunda-feira, 15 de setembro, à tarde, para tentar impedir que a proposta de lei seja aprovada no Parlamento. O regulamento da Assembleia da República obriga a que as petições sejam debatidas em plenário a partir das quatro mil subscrições.

Queremos suspender a votação da proposta de lei, porque achamos que não faz sentido que haja uma votação quando existem tantos milhares de pessoas a dizerem que são contra”, explicou Rui Seabra, presidente da Ansol ao Observador.

A lei da cópia privada permite que os utilizadores copiem um CD comprado legalmente, por exemplo, para um CD virgem. Com a nova proposta de lei, a taxa que é aplicada sobre os suportes onde é possível gravar conteúdos – e que já existia – fica maior: foram incluídos na lei cartões de memória, pen USB, memórias internas dos telemóveis e dos tablets, entre outros.

Rui Seabra, da Ansol, explica que a associação “não está sequer de acordo com o princípio de haver uma taxa”, porque o que a diretiva europeia de 2001 diz é que deve haver uma “compensação equitativa”, que “não se traduz obrigatoriamente numa taxa. “Esta compensação significa que é preciso estimar o valor que os danos destas cópias representam, para que possa haver uma compensação”, explicou ao Observador.

Quando [os governantes] dizem que há um prejuízo de 15 milhões de euros em Portugal por compensar, têm o dever de dizer como é que chegaram a esse valor. E não dizem”, explicou Rui Seabra ao Observador.

O presidente da Direção da Ansol disse ainda que o que a proposta de lei pretende é “extorquir” as pessoas e deu o exemplo do que aconteceu no Reino Unido. Após o lançamento do estudo “Hargreaves Report: Digital Opportunity” em 2011, que não encontrou provas de que as cópias representavam um prejuízo para a economia, o Governo do Reino Unido resolveu alterar a lei da cópia privada naquele país. A partir de outubro, todos aqueles que copiarem um CD comprado legalmente para uso privado, deixam de ser considerados infratores.

Ainda no Prós & Contras a AGECOP disse com desplante que só a cópia privada nos torna legais ao fazer cópias privadas, como passar um CD comprado para um player mp3 ou um iPod, como argumentação a favor das taxas, tal qual gangsters a dizerem ao lojista que só ao pagar-lhes um ‘seguro’ previne as montras partidas”, afirmou o presidente da direção da Ansol.

Em junho de 2014, também foram conhecidas as conclusões de um estudo encomendado pela Comissão Europeia, que sugeria que as taxas sobre a cópia privada fossem reduzidas ou eliminadas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.