Logo Observador
Caso José Sócrates

Carlos César quer mudar a lei para evitar detenções sem acusação

2.631

Dirigente do PS garante que o partido não fala do caso Sócrates "em concreto", mas defende que a legislação deve ser alterada de modo a evitar qualquer situação de se estar preso sem acusação.

Carlos César acredita que "as pessoas não tendo sido condenadas têm direito à presunção de inocência"

MÁRIO CRUZ/LUSA

O presidente do Partido Socialista, Carlos César, garante que o PS não fala do caso Sócrates “em concreto”, mas defende que a legislação deve ser alterada, “com consenso, que tem faltado”, de modo a evitar qualquer situação de se estar preso sem acusação.

“É necessário fixar prazos e haver uma indiciação a um grau de suspeitas que sejam proporcionais às medidas de restrição”, explica, em entrevista à Antena 1. Quando questionado sobre se será normal José Sócrates estar preso preventivamente sem se saber do que é acusado, Carlos César é direto: “Não será o único caso, mas não acho normal”.

O presidente do PS demarca-se de qualquer julgamento em relação à culpa ou inocência de José Sócrates, mas mantém a convicção de que “as pessoas não tendo sido condenadas têm direito à presunção de inocência”.

“Não formo nenhuma convicção em relação à culpa ou em relação à inocência [de José Sócrates], exceto aquela convicção que é própria dos Estados de Direito: as pessoas não tendo sido condenadas têm direito à presunção de inocência”, esclareceu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Caso José Sócrates

Os avençados da vida

Alberto Gonçalves
2.521

As autoridades condenam é que se receba dinheiro para dizer bem do eng. Sócrates. Já para mim, com dinheiro sujo ou limpíssimo, o que me parece incompreensível é que se elogie o eng. Sócrates de borla

Angola

Portugal enxovalhado

Maria de Fátima Bonifácio

A D. Isabel dos Santos é quem nos compra bancos. Os Manuéis Vicentes quem nos usa como lavandaria do seu dinheiro. E se a nossa Justiça se intromete nas suas vidas, Luanda fecha-nos a porta na cara.